ENTREVISTA

Empregabilidade

Fui entrevistado pelo site Valia para uma matéria sobre empregabilidade. A íntegra de minha entrevista você encontra aqui.

Valia: O que é empregabilidade?

Mario Persona:
 Vejo empregabilidade como a capacidade de um profissional estar apto a atender um determinado segmento de mercado. Empregabilidade geralmente vem acompanhada de adaptabilidade, que é a capacidade de se adaptar às exigências do mercado. Isto é importantíssimo para qualquer profissional, já que não podemos esperar que o nosso cliente - o empregador ou contratante - se adapte a nós, e sim nós a ele. Disponibilidade é outra qualidade que eu acrescentaria e está relacionada a prontidão, vontade e disposição para agir. 

Se usássemos uma analogia enxergando o profissional como uma automóvel, diríamos que ele pode ser um carro de corridas, um furgão de entregas, um jipe fora de estrada ou um carro de família. O que importa é que ele esteja pronto para atender seu segmento de mercado com o máximo de capacidade para a tarefa para a qual se equipou. Uma pessoa pode ser "empregável" em uma grande variedade de situações, desde que se prepare para isso e se coloque numa condição útil para executar seu trabalho.

Valia: O que este conceito pode acrescentar às relações de trabalho?

Mario Persona: 
Se você está se referindo à relação entre aquele que contrata e aquele que é contratado, do ponto de vista do que contrata ele certamente irá desejar uma pessoa sempre pronta e afinada com suas necessidades e demandas. Do lado daquele que é contratado, suas chances de manter sua empregabilidade, ou a capacidade de se manter interessante para o mercado, está também na qualidade do relacionamento que ele tem com as pessoas ou empresas que o contratam. 

É importante que o profissional de hoje entenda que não trabalha mais na condição de empregado, mas de prestador de serviços, já que não existe mais a relação que existia no passado de emprego, carreira e aposentadoria em uma única empresa. O profissional deve se preparar para atender diferentes empresas com diferentes necessidades ao longo de sua carreira, pois o mercado muda em uma velocidade nunca vista antes.

Valia: E quanto ao planejamento de carreira?

Mario Persona: 
Todo profissional deve ter em mente aonde quer chegar. É claro que ninguém pode fazer um planejamento de longo prazo, pois pode acontecer de você entrar em uma faculdade e sua profissão já não existir mais, ou não ser mais lucrativa, quando você sair dela. O melhor planejamento de carreira é o planejamento de mudança, a disposição de ter sempre um plano B e C na manga e não se especializar em apenas uma área do conhecimento humano. Planejar hoje é como ir ao cinema. Você sabe que o filme vai acabar e precisa saber onde estão as saídas e ter em mente o que pretende fazer depois.

Falo bastante sobre isso em meu último livro "Dia de Mudança", que também foi lançado em inglês com o título "Moving ON". Na abertura do livro faço um paralelo do profissional, principalmente aqueles que já chegaram à casa dos quarenta anos, com produtos e serviços que estão desaparecendo do mercado, como lojas de CDs, revelação de fotos e tantos outros negócios que vão sendo sucateados pelas novas tecnologias. O profissional que não ficar atento às mudanças ou não conseguir se adequar a elas - geralmente por falta de boa vontade - acaba tendo tanto valor quanto um gramofone ou uma máquina de escrever.

Valia: Qual o perfil do profissional que deseja manter sua empregabilidade?

Mario Persona:
 O profissional disposto a servir, a fazer algo de significativo para aqueles que o contratam, é alguém disposto a se superar a cada etapa de seu trabalho ou de sua carreira. Voltando ao exemplo do carro, ninguém espera que os lançamentos de uma determinada marca daqui a um ano sejam exatamente os mesmos deste ou do ano passado. O profissional não deve esperar que o mercado queira o mesmo profissional que ele tem sido até aqui. Amanhã o mercado irá exigir algo mais, novos conhecimentos, novas experiências e novas habilidades.

Valia: Como os profissionais devem se adequar às novas necessidades e dinâmicas do mercado de trabalho?

Mario Persona:
 A curiosidade e o desejo de aprender sempre são ferramentas indispensáveis para se atuar em um mercado dinâmico. Mas não existe curiosidade nem desejo de aprender em pessoas que fogem dos desafios. E desafios são sempre aquelas coisas que a princípio parecem grandes demais para nós, muito cansativas, difíceis e inacessíveis. Disposição para abraçar o desconhecido e explorá-lo é uma qualidade dos grandes profissionais.

Valia: As redes de relacionamento ou networking podem ajudar nessa adequação?

Mario Persona: 
Sim, não conseguimos nada sozinhos. Hoje está muito fácil conhecer pessoas, ainda que superficialmente, criando pontes para chegarmos onde desejamos. Mas ninguém espere que as pessoas irão querer nos ajudar se não estivermos dispostos a ajudá-las, a nos tornarmos uma referência de auxílio quando elas precisarem. O raciocínio é simples. Um profissional que só busca o ganho próprio, cedo ou tarde irá ficar a ver navios, já que sua rede de relacionamentos tende a murchar. Pouca gente quer se aproximar de quem vive na chamada "lei de Gerson", querendo levar vantagem em tudo. Generosidade é um investimento que costuma trazer bons dividendos.

Valia: Como um profissional pode defender sua carreira dos riscos inerentes do mercado de trabalho?

Mario Persona: 
A melhor blindagem é aquela que protege sua reputação, seu nome, sua marca. Os riscos para sua carreira são os riscos que ele pode também representar para as empresas ou pessoas que o contratam. Outro dia vi o perfil de uma ex-aluna no Orkut e na seção de fotos ela colocou várias garrafas de uísque e latas vazias de cerveja, dando a entender que bebeu todas. Alguém com esse tipo de promoção pessoal não precisa de inimigos para sua carreira. Suas atitudes já estão detonando seu futuro. 

Qualquer empresa hoje foge de contratar profissionais que possam representar um risco para sua marca e reputação. A reputação do profissional, suas crenças e seus valores, é o que ele leva para a empresa, é o que ele agrega de valor às crenças e valores da empresa. O profissional deve pensar com cabeça de empresário e perguntar sempre se tem alguma coisa a agregar à empresa ou cliente que irá atender, e se existe alguma coisa em suas atitudes ou até mesmo em sua imagem que possa representar um risco ou, quem sabe até, uma aparência de risco para quem o contrata.

Valia: A reserva financeira pode ajudar nessa defesa?

Mario Persona: 
Creio que a reserva financeira ajuda o profissional a ser mais tranqüilo na hora de tomar decisões, e a transmitir essa tranqüilidade. Quando vivemos com a corda no pescoço estamos sempre dispostos a aceitar fazer qualquer tipo de trabalho e a aceitar qualquer tipo de pagamento. Uma pessoa assim pode acabar se comprometendo em ações ilícitas com o pretexto de fazer o que o chefe manda - e a corda sempre arrebenta do lado mais fraco - ou de ficar sem poder de negociação ou de escolha na hora de buscar uma nova colocação ou renegociar honorários ou salários.

Valia: E projetos profissionais paralelos ao emprego também ajudam?

Mario Persona: 
Sim, evidentemente. Fazem parte do plano B, do plano C e de qualquer plano que pode se tornar a primeira opção na hora de uma mudança drástica na carreira. Eu mesmo tenho por formação original arquitetura e urbanismo, uma área da qual fui obrigado a sair na década de oitenta quando o mercado da construção estava completamente estagnado em razão de uma inflação galopante. Ao longo das diversas atividades que exerci fui aprendendo que é preciso ser camaleão para sobreviver no mercado de trabalho, pois este muda o tempo todo. 

É péssimo o profissional ficar chorando suas mágoas ou até mesmo insistir em um segmento que esteja notadamente ruim em um determinado momento de sua carreira. Projetos paralelos, profissionais ou até mesmo feitos como hobby, podem se transformar em carreiras lucrativas quando uma fonte seca e a outra se mostra promissora.

Valia: Qual o papel das empresas no desenvolvimento profissional de seus empregados?

Mario Persona:
 A empresa hoje já não pode se dar ao luxo de formar pessoas como fazia no passado, pois nem ela sabe se irá continuar no mercado no próximo ano. Quando acabou a guerra do Vietnã um fabricante de armas dos Estados Unidos mudou toda sua linha de produção e passou a fabricar brinquedos. Isso pode acontecer a qualquer momento. 

Um dia um determinado produto está em alta, tem grande demanda, e no dia seguinte já não existe mercado para ele ou algum fabricante da China consegue fazer melhor e mais barato. Então a empresa tem de mudar. Acho que o melhor investimento que uma empresa pode fazer é contratar pessoas com boa capacidade de enfrentar novos desafios e também mudarem com a empresa.

Valia: Como um profissional pode avaliar sua empregabilidade, para saber se está dentro dos padrões do mercado?

Mario Persona: 
Se ele estiver trabalhando é porque sua empregabilidade está boa. Se ele deixa de trabalhar, mas logo em seguida consegue se encaixar no mercado outra vez, também está bem, mas é preciso entender o que significa este "se encaixar no mercado". Há excelentes profissionais que são desligados de uma empresa e passam o resto da vida procurando um emprego que não existe mais. Era sua especialização que o mercado sucateou e ele não percebeu. 

O profissional competente deve manter um olho no trabalho e outro no andar da carruagem do mercado para saber até onde ela vai. Ninguém toma um ônibus ou metrô e simplesmente adormece sem se preocupar com a hora em que irá precisar descer. A menos que esteja se dirigindo para o ponto final, mas se o profissional trabalhar pensando assim, então é melhor começar a se preocupar com sua empregabilidade.

[Entrevista concedida ao site Valia em 26/09/2007. Entrevistas assim costumam ser feitas para a elaboração de matérias e nem tudo acaba publicado na mídia,. Eventualmente são aproveitadas apenas algumas frases a título de declarações do entrevistado. Para não perder o estímulo dado aos meus neurônios, que gera idéias que considero valiosas, costumo gravar ou dar entrevistas por escrito. A íntegra do que foi falado você encontra aqui. ]

Mario Persona é consultor,  escritor e palestrante. Veja emwww.mariopersona.com.br

UM CONTADOR DE HISTÓRIAS

Com seu estilo inconfundível, o palestrante Mario Persona transforma grandes questões em conceitos simples e de fácil compreensão para qualquer audiência.

Um fino senso de humor e talento de cronista, aliados à experiência empresarial, lhe permitem extrair do banal o extraordinário e transformar "causos" corriqueiros em analogias perfeitas para a vida, carreira e negócios.

Para saber mais sobre o palestrante
clique aqui ou entre em contato para
receber uma proposta. Ou ligue para
(19) 99870-7899 / 99789-7939
contato@mariopersona.com.br

Laura Loft - Diário de uma recepcionista
Laura Loft
Diário de uma recepcionista
Marketing de Gente
Marketing
de Gente
Receitas de Grandes Negócios
Receitas de
Grandes Negócios
Gestão de Mudanças
Gestão de
Mudanças
Crônicas de uma Internet de verão
Crônicas de uma
Internet de verão
Marketing Tutti-Frutti
Marketing
Tutti-Frutti
Dia de Mudança
Dia de
Mudança
Crônicas para ler depois do fim do mundo
Crônicas para ler
depois do fim do mundo
Eu quero um refil!
Eu quero
um refil!
Meu carro sumiu!
Meu carro
Sumiu!
Moving ON
Moving
ON
Uma luta pela vida
Uma luta pela vida
Lia Persona Hadley
O Evangelho em 3 minutos - Mateus
O Evangelho em 3 minutos
Mateus
O Evangelho em 3 minutos - João
O Evangelho em 3 minutos
João
O que respondi - Vol. 1
O que respondi
Vol. 1
O que respondi - Vol. 2
O que respondi
Vol. 2
O que respondi - Vol. 3
O que respondi
Vol. 3
O que respondi - Vol. 4
O que respondi
Vol. 4
O que respondi - Vol. 5
O que respondi
Vol. 5
O que respondi - Vol. 6
O que respondi
Vol. 6
O que respondi - Vol. 7
O que respondi
Vol. 7
O que respondi - Vol. 8
O que respondi
Vol. 8
O que respondi - Vol. 9
O que respondi
Vol. 9
Você encontra os livros de Mario Persona também nestes endereços: