ENTREVISTA

COMO AGIR NA ENTREVISTA DE EMPREGO

Fui entrevistado pelo Portal Baguete para uma matéria sobre marketing pessoal e como se comportar durante uma entrevista para um novo emprego. A íntegra da entrevista você encontra aqui.



P. Qual o aspecto mais importante em uma entrevista de emprego?

Mario Persona -
 É difícil definir um aspecto apenas, porque a entrevista é o resultado de várias coisas. Por exemplo, se a pessoa veio indicada por alguém, esse alguém pode ter um papel decisivo na contratação. O currículo também é importante, pois ela não teria chegado à entrevista se o seu currículo não tivesse passado numa pré-seleção. 

Até o humor do entrevistador pode contar, e a ordem do candidato na fila também. Alguém que esteja sendo entrevistado em um momento ruim para o entrevistador pode perder pontos, não por culpa sua, mas porque o entrevistador está cansado ou com pressa. 

Mas essa ordem pode também ser favorável, caso o candidato anterior tenha sido um desastre. Aí você irá parecer muito melhor aos olhos do entrevistador, que irá compará-la com o anterior.

P. Quais os erros mais comuns durante a entrevista?

Mario Persona - 
Falar muito de si pode criar uma imagem de egocentrismo. Eu mesmo, quando jovem, me dei bem em uma entrevista de emprego. Quando entrei na sala do gerente que iria me entrevistar, reparei que ele tinha muitos porta-retratos e quadros nas paredes com fotos dos filhos. Só consegui perguntar "São seus filhos?". Daí em diante ele tomou a palavra e só falou dos filhos. Depois acabou emendando o assunto para explicar qual seria minha função na empresa. Fui contratado.

O bom mesmo é falar em etapas, como em uma entrevista para um jornalista. Você responde às perguntas e agrega algum comentário inteligente, e então faz uma pausa para aguardar a próxima pergunta. 

P. Fala-se muito em marketing pessoal. O que é e qual a importância para conquistar um emprego?

Mario Persona -
 Marketing pessoal é um processo ou um conjunto de ações para detectar necessidades e desejos de um mercado que se pretende atingir. A partir daí vem o trabalho de comparar isso com as próprias capacidades, e tentar desenvolver estas a fim de adequá-las para atender as pessoas ou empresas. 

Não é muito diferente do processo de desenvolvimento e venda de um produto ou uma marca. Eu diria até que o marketing pessoal é muito mais difícil do que o marketing de produto, porque um produto com defeitos você pode tirar do mercado e substituir por outra versão. Isso não é possível quando o produto é um ser humano.

Apesar de poder ser aplicado em muitas áreas da vida e dos relacionamentos, eu acredito que o maior interesse hoje por marketing pessoal esteja na sua aplicação na carreira. Numa época quando informação virou commodity e os cursos são abundantes, o profissional precisa desenvolver um diferencial próprio que vá além daquilo que um diploma pode oferecer.

É aí que entra o marketing pessoal. Se eu estiver competindo em condições de igualdade com outro candidato, qualquer coisa que eu agregar ao meu produto pode ajudar. Pode ser a embalagem que melhora minha boa aparência, a comunicação que permite dar clareza às minhas ideias, a linguagem corporal que ajuda a enfatizar minha fala, o encantamento do cliente etc. 

Mas é bom lembrar que isso tudo é o glacê do bolo, que passa a ser importante apenas porque encontrei um bolo igual e tão competente quanto eu. Se faltar o trabalho de base, que é o desenvolvimento das competências, esse glacê todo vai escorrer diante do primeiro desafio que a empresa colocar na minha frente.

P. Quais os limites entre o marketing pessoal e o exibicionismo?

Mario Persona -
 A ideia de que marketing pessoal seja autopromoção é um equívoco. Ao contrário, quanto menos você se promover, e quanto mais você cria condições para que as outras pessoas promovam você, melhor será o seu marketing pessoal. Uma pessoa com uma boa estratégia de marketing pessoal sabe valorizar o próximo e ajudá-lo. A promoção ou a propaganda virá naturalmente. O outro sentirá prazer em promover alguém que merece ter seu nome divulgado.

P. Um bom marketing pessoal pode compensar um currículo fraco ou uma competência média?

Mario Persona -
 Não, se nós estivermos falando de marketing pessoal como todo um conjunto de atividades que vão do alicerce ao telhado da construção do ser humano. A associação que se costuma fazer do marketing pessoal com propaganda ou autopromoção leva muitos a caírem em desgraça. 

Estou falando daqueles que não têm competência nenhuma e que se lançam numa promoção desenfreada de sua própria imagem. Tão logo o mercado descobre sua incompetência, o tiro sai pela culatra. Todo o seu esforço apenas fez com que mais pessoas ficassem sabendo que ele é incompetente. Uma marca ruim pouco promovida ainda tem chances de ser reformada. Uma marca ruim muito conhecida vai morrer assim.

P. E para os tímidos e introspectivos, como fazer um bom marketing pessoal?

Mario Persona - 
Tudo depende da área de atuação da pessoa. Um dos melhores vendedores de seguros da história dos Estados Unidos era tão tímido que quando lhe pediram para fazer um discurso em público, ele fez escondido atrás da cortina do palco. Seu nome era Ben Feldman e sua aparência também não ajudava: ele era baixinho, gordinho e careca.

No entanto, sua timidez formava uma composição tão harmoniosa com suas outras características que as pessoas facilmente se deixavam encantar por ele. E compravam o seu seguro.

P. Como convencer o entrevistador de que você é o mais indicado para determinado cargo?

Mario Persona - 
Perguntar sobre a função que irá exercer ali é uma boa forma de mostrar interesse e vontade de trabalhar. Evitar falar mal de outros empregos também pode ajudar em muito, porque o entrevistador sabe que sua empresa poderá entrar para a lista do candidato se um dia ele for demitido.

Quem vai para uma entrevista precisa fazer antes a lição de casa. Precisa conhecer o máximo que puder sobre a empresa para poder conversar o mais próximo possível da realidade da função que pretende. É péssimo entrevistar uma pessoa que não faz nem ideia do que a empresa faz e de qual será a contribuição que poderá dar ao negócio. Mas é igualmente péssimo entrevistar alguém que já chega à entrevista dando palpite de como as coisas devem ser. Antes de assumir um posto ninguém tem uma visão clara dos desafios que ele tem. Portanto, nada de palpites na entrevista.

Outro ponto importante: a empresa que contrata tem por objetivo gerar lucro, não servir de escola para o candidato. Dizer que pretende trabalhar ali para aprender pode causar uma impressão ruim. Com a rotatividade que existe hoje no mercado de trabalho, nenhuma empresa irá querer investir em um profissional que só tem o objetivo de aprender. É preciso afinar o discurso para mostrar o que pretende fazer pela empresa.

P. De que modo a linguagem corporal influencia no momento da contratação?

Mario Persona -
 Para um entrevistador treinado, a linguagem do corpo revela muita coisa. Um dia um aluno veio me contar o que pretendia dizer na entrevista quando perguntassem de sua experiência prévia. Como não tinha nenhuma, falou de algumas experiências fictícias para saber se eu achava que podia convencer. Imagine a cena: só de contar para mim a mentira que planejava contar para o entrevistador o rapaz ficou vermelho como uma pimenta. De que cor ele iria ficar se tentasse fazer a mesma coisa durante o estresse de uma entrevista? Roxo?

P. As regras são as mesmas para homens e mulheres ou há diferenças a serem observadas?

Mario Persona - 
Homens e mulheres podem ser bem diferentes nos resultados que conseguem na hora da entrevista. As mulheres têm algumas armas secretas, como a intuição e o charme. Os homens são menos intuitivos e não conseguem causar o mesmo impacto que as mulheres. Mas dependendo da função, a cultura e a tradição podem pesar na balança, já que existem funções que são mais adequadas a um ou ao outro gênero.

A mulher que é entrevistada deve ter bom senso no uso de suas armas, pois o efeito que causa num entrevistador é bem diferente daquele causado em uma entrevistadora. Eu acredito que o número de profissionais do sexo feminino seja maior nas áreas de recursos humanos, portanto é bom ela ser flexível na forma de se apresentar. Talvez ela passe por uma entrevistadora do RH e depois por um entrevistador da área à qual se candidatou, e a impressão que precisa causar em cada um é ligeiramente diferente.

P. As redes sociais, de que forma podem ajudar no marketing pessoal?

Mario Persona -
 As redes sociais podem ajudar se o profissional souber utilizá-las, não para falar de si, mas para ajudar as pessoas com as quais têm contato. As redes são um filão de ouro para quem deseja realmente deixar uma marca forte na mente das pessoas. Estar atento para poder indicar empregos ou soluções para seus contatos pode valer ouro na hora de precisar de um emprego ou tiver uma necessidade em alguma área.

Porém é importante ter cuidado. Muita gente fica conhecida nas redes sociais por seu espírito crítico e ferino, ou por sua excentricidade. Isso pode até valer pontos na hora de ter suas ideias multiplicadas, mas pode fechar portas na hora de conseguir oportunidades de emprego. Ninguém gosta de trabalhar com gente crítica ao extremo. 

Portanto, o melhor mesmo é trabalhar muito bem sua "persona" antes de sair em campo: desenvolver e refinar suas competências, trabalhar sua imagem e comunicação, e saber gerar bons contatos nas redes sociais. 

Nem preciso falar aqui de coisas como caráter, valores, atitude etc., porque são obrigatórias em qualquer carreira. Quem não as tem, não tem lugar no mercado. 

Entrevista concedida ao Portal Baguete em 06/08/2010.

Entrevistas como esta costumam ser feitas para a elaboração de matérias, portanto nem tudo acaba sendo publicado. Eventualmente são aproveitadas apenas algumas frases a título de declarações do entrevistado. Para não perder o que eu disse na hora da entrevista, costumo gravar ou dar entrevistas por escrito. A íntegra do que foi falado você encontra aqui. Se achar que este texto pode ajudar alguém, use o formulário abaixo para compartilhar.

Mario Persona é consultor, escritor e palestrante. Veja emwww.mariopersona.com.br

UM CONTADOR DE HISTÓRIAS

Com seu estilo inconfundível, o palestrante Mario Persona transforma grandes questões em conceitos simples e de fácil compreensão para qualquer audiência.

Um fino senso de humor e talento de cronista, aliados à experiência empresarial, lhe permitem extrair do banal o extraordinário e transformar "causos" corriqueiros em analogias perfeitas para a vida, carreira e negócios.

Para saber mais sobre o palestrante
clique aqui ou entre em contato para
receber uma proposta. Ou ligue para
(19) 99870-7899 / 99789-7939
contato@mariopersona.com.br

Laura Loft - Diário de uma recepcionista
Laura Loft
Diário de uma recepcionista
Marketing de Gente
Marketing
de Gente
Receitas de Grandes Negócios
Receitas de
Grandes Negócios
Gestão de Mudanças
Gestão de
Mudanças
Crônicas de uma Internet de verão
Crônicas de uma
Internet de verão
Marketing Tutti-Frutti
Marketing
Tutti-Frutti
Dia de Mudança
Dia de
Mudança
Crônicas para ler depois do fim do mundo
Crônicas para ler
depois do fim do mundo
Eu quero um refil!
Eu quero
um refil!
Meu carro sumiu!
Meu carro
Sumiu!
Moving ON
Moving
ON
Uma luta pela vida
Uma luta pela vida
Lia Persona Hadley
O Evangelho em 3 minutos - Mateus
O Evangelho em 3 minutos
Mateus
O Evangelho em 3 minutos - João
O Evangelho em 3 minutos
João
O que respondi - Vol. 1
O que respondi
Vol. 1
O que respondi - Vol. 2
O que respondi
Vol. 2
O que respondi - Vol. 3
O que respondi
Vol. 3
O que respondi - Vol. 4
O que respondi
Vol. 4
O que respondi - Vol. 5
O que respondi
Vol. 5
O que respondi - Vol. 6
O que respondi
Vol. 6
O que respondi - Vol. 7
O que respondi
Vol. 7
O que respondi - Vol. 8
O que respondi
Vol. 8
O que respondi - Vol. 9
O que respondi
Vol. 9
Você encontra os livros de Mario Persona também nestes endereços: