Mario Persona CAFE - Crônicas de vida, carreira e negócios.

"É prova de alta cultura dizer as coisas mais profundas
do modo mais simples" -
Ralph Waldo Emerson 

Mario Persona é palestrante, escritor, conferencista, consultor, tradutor, professor de comunicação e marketing.

Mario Persona é palestrante, escritor, conferencista, consultor, tradutor, professor de comunicação e marketing.

Mario Persona CAFE

Últimas - Mario Persona CAFE Arquivos - Mario Persona CAFE Receba - Mario Persona CAFE Envie - Mario Persona CAFE Contato - Mario Persona CAFE

Quer publicar estas crônicas em seu site?

[Anterior: "A quinta letra"] [Página Inicial] [Próximo: "Detesto Olimpíadas"]

19/09/2009 A biblioteca subiu no telhado
por Mario Persona

A piada é velha. Um sujeito é repreendido pelo amigo por ter enviado um email avisando da morte do gato. O dono do gato não gosta da notícia abrupta e instrui o outro a primeiro dizer que o gato subiu no telhado, depois que caiu, está passando mal etc. até morrer. Um mês depois chega um novo email: “Sua mãe subiu no telhado”.

No caso da biblioteca, porém, não é piada. E também não é qualquer biblioteca que subiu no telhado. Trata-se da biblioteca pública de Filadélfia, que Benjamin Franklin ajudou a criar. A notícia de que suas 53 instalações fechariam as portas teve, nos bibliófilos, o efeito de um incêndio de Alexandria.

Em 2006 estive em Filadélfia, mas não na biblioteca. Vi uma das lojas da Tower Records que estava liquidando para fechar. Já reparou quantas lojas de discos fecharam? E livrarias? Quando criança, minha cidade tinha 5 cinemas, hoje só tem um. A maioria das lojas de revelação de fotos morreu. Mesmo assim continuamos ouvindo música, lendo livros, vendo filmes e colecionando fotos.

O que mudou foi o modo de acessar essas coisas. A música é vendida online, as lojas de revelação vivem de fotos em camisetas, canecas e banners, as livrarias foram para a Web e o cinema agora é home theater. E a biblioteca?

Numa época quando o bibliotecário já devia ter se transformado em cibertecário, 3 mil empregos em Filadélfia estão por um fio. Na última hora uma verba estadual deu à biblioteca fôlego para permanecer mais algum tempo no telhado.

Quando no inverno da crise de 2008-2009 as bibliotecas norte-americanas ficaram cheias, muita gente achou que o interesse tivesse retornado. Engano. Profissionais liberais passaram a trabalhar nelas para economizar Internet e aquecimento em casa. Um estudo revela que mais de 71% das bibliotecas nos EUA são o único provedor de computadores e Internet grátis em suas comunidades. E 44% do interesse de seus usuários está em acessar sites de empregos.

Mas o fato de algumas bibliotecas terem subido no telhado não significa que irão cair dele. A Google não estaria investindo milhões escaneando os acervos das principais bibliotecas do mundo se o negócio estivesse morto. É preciso entender para onde caminha a humanidade.

Em 1998 eu escrevia sobre Internet, mas quando vi que a novidade ia acabar passei a escrever sobre comunicação, marketing e desenvolvimento pessoal, assuntos sem data de validade. Em 2006 inaugurei meu canal no Youtube, a TV Barbante. Hoje meu site de 900 páginas de texto gera 2,5 mil page-views diários, enquanto meus 120 vídeos geram 2,1 mil video-views. Faça as contas e você verá que vídeo atrai muito mais do que texto. A nova geração é visual e a velha está morrendo.

A princípio pensei em alugar um servidor para meus vídeos não saírem de meu domínio, mas o pipoqueiro me convenceu do contrário. Ele não fica com o carrinho no quintal, mas vai para a porta do estádio. Então fui para o estádio do Youtube. As bibliotecas que se aliaram à Google em seu projeto estão de olho no estádio.

A biblioteca tradicional oferece informações e acesso como fazia nos tempos de Benjamin Franklin. Mas lá fora o mundo vive um processo caótico de conhecimento baseado na interatividade e nos relacionamentos. Você já ouviu falar em redes sociais?

O problema é que o conceito das redes sociais é inadmissível na antiga biblioteca convencional. Pense na biblioteca de sua infância e você pensará na tia mandando calar a boca. A menos que essa cultura seja mudada, mais bibliotecas continuarão a subir no telhado. As bibliotecas precisam mesmo é de percepção.

Foi a falta de percepção que levou uma garota a entrar numa biblioteca e pedir fritas, hambúrguer e milkshake em alto e bom som. (Ok, eu sei que é outra piada velha, mas esta virou até comercial da Mercedes Benz). A bibliotecária imediatamente avisa a garota que ali é uma biblioteca. Envergonhada, a menina chega mais perto e cochicha baixinho:

- Eu quero fritas, hambúrguer e milkshake




POSFÁCIO

Muito já foi falado de como as novas tecnologias têm afetado lojas de discos, livrarias, cinemas e negócios de revelação de fotos. Mas e as bibliotecas, como ficam os seus acervos quando todo o acervo do conhecimento humano está a um clique de distância de qualquer cidadão? Será que aquelas que foram as guardiãs das enciclopédias terão o mesmo fim das próprias enciclopédias?

É claro que algumas bibliotecas já deixaram para trás a fase de depositárias estáticas de livros e passaram a desenvolver programas educativos, oferecer aulas e até assessorias a pequenas e grandes empresas. É este o segredo, fornecer valor e não apenas guardar livros. Mas a maioria ainda não acordou, principalmente as que continuam deitadas eternamente em berço esplêndido por não serem geridas como um negócio e nem terem visão de marketing.

Aproveito para avistar que 4 de meus primeiros livros já estão disponíveis para download grátis ou na versão sob demanda (veja abaixo). E meu último livro “Dia de Mudança” continua à venda nas melhores livrarias.

Marketing de Gente
Marketing
de Gente
Marketing Tutti Frutti
Marketing
Tutti Frutti
Gestão de Mudanças em Tempos de Oportunidades - Mario Persona
Gestão de
Mudanças
Receitas de Grandes Negócios - Mario Persona
Receitas
de Grandes
Negócios

resenha resenhas resumo resumos livro livros crítica críticas opinião opiniões literatura literaturas comentário comentários

O Negócio dos Livros
Andre Schiffrin
O livro discute os bastidores da biblioindústria. Publicado em 21 países e agora no Brasil, O Negócio dos Livros analisa o mercado da produção editorial no mundo e trata de questões como: quem decide o que está nas prateleiras das livrarias? Como são negociados grandes acordos internacionais de compra e venda de livros e editoras?
Há quase 50 anos no mercado, Schiffrin esclarece com análises polêmicas essas e outras questões sobre os bastidores do universo editorial. O autor chama atenção para o papel que deve desempenhar o editor e alerta como é perigoso viver em uma cultura limitada de idéias e alternativas e como é fundamental manter um amplo debate em torno do que é publicado.

O AUTOR:
André Schiffrin nasceu na França, em 1935, e vive nos Estados Unidos desde 1941. Durante 30 anos foi editor da Pantheon, por onde publicou importantes autores norte-americanos, europeus e latino-americanos. Desde 1990, dirige a editora independente sem fins lucrativos The New Press, localizada em Nova York e subsidiada por diversas fundações.

Editora: Casa da Palavra
Autor: ANDRE SCHIFFRIN
ISBN: 8577340236
Origem: Nacional
Ano: 2006
Edição: 1
Número de páginas: 178
Acabamento: Brochura
Formato: Médio


E a gorjeta, doutor?


Respostas: 7 Pessoas comentaram. E você, qual é sua opinião?

Olá Mário,

Na minha opinião,falta mais opções nos acêrvos das bibliotecas, ninguém vai à uma biblioteca para ler a inciclopédia Barça por exemplo, ou Dom Casmurro, pois temos a Wikipedia, o google e etc.
As bibliotecas terão que se adaptar, modernizar seus acêrvos, disponibilizar livros técnicos, recentes, lançamentos, investir mais em mídias como DVD, CD,Recursos de vídeos e outros.
Como na natureza, o que não evolui, morre, espero que as bibliotecas evoluam e que algum "bombeiro" de boa vontade, coloque a sua escada na beirada desse telhado.

Enviado por ANDERSON FARIAS em 23/10/2009


Eu amo ler mas depois da internet nunca mais entrei em uma biblioteca? Elas ainda existem? rsrsrsr. brincadeira. mas ao lado do meu trabalho havia uma livraria dessas chamadas sebo e fechou porque o dono passou vender os livros pela net.niguem reclamou. Acho até que gostaram da novidade.

Enviado por Eliene em 09/10/2009


Mário, o acesso às bibliotecas também é difícil alguma vezes. Algumas bibliotecas universitárias só permitem que você faça consulta no local, quando você não é estudante.

Enviado por Iara Labaki Suckau em 27/09/2009


Mário, o acesso às bibliotecas também é difícil alguma vezes. Algumas bibliotecas universitárias só permitem que você faça consulta no local, quando você não é estudante.

Enviado por Iara Labaki Suckau em 27/09/2009


Olá, Mario. Sou a Cecília, da Edelman, agência de comunicação da Jorge zahar Editor.
Muito pertinente o seu texto, principalmente quando diz que o que mudou foi a forma como acessamos os livros, as músicas, os filmes...Andrew Keen, que escreveu o livro "O culto do amador", lançado no começo do ano pela Zahar, disse que a cada semana um jornal morre nos EUA. Na realidade, a busca pela informação continua, o que mudou foi a forma de se cheguar a ela. E assim como as livrarias, as editoras, as gravadoras e os estúdios de cinema, os jornais precisam se adaptar a essa nova cultura e trilhar caminhos economicamente viáveis para tal e agregar valor ao serviço.
Um abraço.

Enviado por Cecília em 21/09/2009


Grande amigo! Claro que te chamo assim porque vc já convive comigo praticamente todos os dias. E se ouço seus conselhos e acredito nas coisas que você diz, se adoro a hora que vou te encontrar, isso só pode ser amizade... e das boas...rsss
Mas vamos ao comentário do dia:
Bibliotecas deveriam ser exatamente isso nos dias atuais: espaços de convivência, que por coincidência teriam livros também.
Utilizar a biblioteca para guardar livros como um fim é desprezar o desejo dinâmico e moderno de uma criança que tem tudo à mão... E quando uma criança acha o caminho das pedras, não se dá ao luxo de ir por outro caminho... As crianças adultas do mundo já descobriram a internet e não vão ficar indo a bibliotecas para encontrar objetos opacos, empoeirados e ainda por cima escondidos. É... a loira do comercial teve um insigth mal interpretado: as bibliotecas deveriam ter bons e gostosos lanches... assim ofereceriam o princípio da convivência: o prazer.

Enviado por Aloysio Fernandes em 21/09/2009


Olá Sr. Mario persona!

Eu amo receber suas crônicas.
Eu racho o bico de rir,muito bom.
Agradeço muito
Abraços

Enviado por Maria José em 19/09/2009


Publique aqui seu Comentário. Ele ficará visível nesta página. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do autor deste blog.

Quer falar em particular? Envie um e-mail para
contato@mariopersona.com.br

*Nome (obrigatório):

E-Mail (opcional):

Site (opcional):

Comentário

Código de segurança anti-spam:
Digite aqui em letras maiúsculas)


Leia outros textos nos
arquivos.

Gostou do CAFÉ?
Anote no guardanapo e convide alguém!

De: ....
Para:
Comentário:


*Preencha todos os campos.

Mario Persona CAFE


Subscribe Free
Add to my Page

Cardápio Profissional:

Palestra Palestra com Manteiga
Planejamento Planejamento Light
Comunicação Comunicação Quente
Redação Redação com Ovomaltine
Tradução Tradução Inglesa
Experiência Experiência ao Ponto
Imprensa Imprensa na Chapa
Contato Fale com o Garçom

After Hours: Quero Contar, True Stories, Chapter-A-Day, O Pintor em Minha Janela

Copie o endereço RSS para seu leitor de feed O que é RSS?

Livros de Mario Persona

"Ser alguém é ter uma história para contar."
Isak Dinesen

Curioso para saber quem sou? Ok, você pediu. Para poupá-lo, vou começar nos anos 70. Após a fase mauricinho, virei hippie. Isso mesmo. Compus, cantei e toquei em festivais, vivi 3 anos só de macrobiótica e vesti bata de algodão de saco de farinha. Despojamento exterior de um Gandhi, mas vivendo como a rainha da Inglaterra, PAItrocinado no conforto de um apê só meu no Guarujá e faculdade particular em Santos.

Fim dos anos 70, desenhista, designer de ambientes e cartunista, recém formado arquiteto, metido em movimentos de contracultura e volta à natureza, fui morar no mato. Comprei um sítio após uma tentativa frustrada de morar numa comunidade. Onde? Alto Paraiso, GO. Foram 3 anos cantando "Refazenda", criando carrapatos, plantando mato e comendo arroz integral com gersal.

Foi também no fim dos 70 que nasci de novo, após três anos errando à procura de um sentido para a vida em filosofias do extremo oriente. Minha procura terminou no oriente médio
e os anjos ficaram alegres.

Voltei à civilização para continuar a carreira de arquiteto. Tive escritório de arquitetura, fui vendedor de materiais de acabamento, negociador no Banco Itaú e Cia do Metrô, editor de publicações cristãs da Verdades Vivas, tradutor técnico e diretor de comunicação e marketing da Widesoft.

Dinossauro da Internet no Brasil, em 1996 criei meu primeiro site, o bilíngüe
True Stories, seguido do trilíngüe Chapter-A-Day. Trabalhando na Widesoft, criei a comunidade Widebiz e ultimamente mantenho alguns blogs, como este CAFE, o biográfico Quero Contar e o devocional O Pintor em Minha Janela.

Hoje sou
palestrante, escritor, professor e estrategista de comunicação e marketing, além de garçom aqui no Mario Persona CAFE. Para saber mais é só clicar nos docinhos do cardápio profissional lá no alto.

Descobri o ócio criativo e faço que gosto trabalhando em casa. Meus clientes nunca iam ao meu escritório — nem eu — por isso decidi assumir o modelo home-office, conectado a um atendimento profissional, empresas parceiras, ao meu filho
Lucas Persona e aos meus clientes. Adotei o modelo futuro no presente.

Ao lado de minha mesa fica a poltrona de meu filho Pedro, que passa o dia escutando música. Quem é Pedro? Esta é uma outra história que você encontra no livro
"Uma Luta pela Vida", de minha filha Lia Persona, ou acompanhando o blog Quero Contar .

Com tanta
gente lendo meus textos, visitando meu site, assistindo minhas palestras, costumo receber um bom número de e-mails de leitores. Mas nenhum foi tão enigmático quanto aquele que trazia apenas uma pergunta: "Por que você se chama Mario Persona?".

"Você é o contador de histórias de sua própria vida, e poderá ou não criar sua própria lenda."
Isabel Allende



Vida, Carreira & Negócios - PodcastOneVida, Carreira & Negócios - PodcastOne


Powered By Greymatter

Copie o endereço RSS para seu leitor de feed O que é RSS?

 

 

Home | Planejamento | Comunicação | Redação | Tradução | Palestras | Coaching | Crônicas | Experiência | Imprensa | Contato

© Mario Persona Consultoria Ltda. contato@mariopersona.com.br Tel (19) 3038-4283 / Cel (19) 9789-7939 - Limeira - SP - Brasil

moving on, marketing de gente, gestão de mudanças em tempos de oportunidades, receitas de grandes negócios, crônicas de uma internet de verão


© Mario Persona

BlogBlogs.Com.Br Who links to my website?