Mario Persona CAFE - Crônicas de vida, carreira e negócios.

"É prova de alta cultura dizer as coisas mais profundas
do modo mais simples" -
Ralph Waldo Emerson 

Mario Persona é palestrante, escritor, conferencista, consultor, tradutor, professor de comunicação e marketing.

Mario Persona é palestrante, escritor, conferencista, consultor, tradutor, professor de comunicação e marketing.

Mario Persona CAFE

Últimas - Mario Persona CAFE Arquivos - Mario Persona CAFE Receba - Mario Persona CAFE Envie - Mario Persona CAFE Contato - Mario Persona CAFE

Quer publicar estas crônicas em seu site?

[Anterior: "Circunstâncias"] [Página Inicial] [Próximo: "Vagamente oportuno"]

06/10/2008 Terror por assinatura
por Mario Persona

Senti-me um covarde. As cicatrizes deixadas pelas experiências passadas faziam minhas mãos tremerem só de pensar em sofrer aquilo de novo. Adiei o mais que pude, mas hoje decidi ir em frente. Não, não estou falando do exame da próstata. Falo do cancelamento da TV por assinatura.

Se fosse possível experimentar o cancelamento antes de experimentar o serviço a maioria dos brasileiros voltaria aos bons tempos do rádio. Eu sei que essas empresas contratam profissionais competentes e boas agências para vender seus serviços, mas o cancelamento é outro departamento. Deve ficar no porão.

Imagino um lugar igual ao laboratório do Dr. Silvana ou qualquer outro vilão do submundo dos quadrinhos. O responsável pelo cancelamento está para o responsável pela venda assim como o Lex Luthor está para o Super-Homem, o Coringa para o Batman e a bola para a Seleção.

Tudo começou quando outra operadora ligou oferecendo um milhão de vantagens. Por algum motivo essas empresas tentam me fisgar pelos canais de esportes, dos quais eu pratico salto a distância. Tentei explicar isso sem parecer um E.T. Então ela focou no preço: TV + Internet + telefone por menos do que eu pagava pelos serviços separados. A diferença berrou em meus ouvidos: COMPRA! COMPRA! COMPRA! Comprei.

Aí veio a hora de cancelar a Internet e a TV das outras operadoras. Primeiro liguei para cancelar a Internet, o que não doeu muito. O sistema é configurado para a ligação cair quando você escolhe a opção "Cancelar". A minha caiu seis vezes. Aí escolhi "Adquirir" e consegui falar.

A atendente do cancelamento não é a mesma que vende o serviço. Eu a imagino como uma escrava trabalhando no laboratório subterrâneo de um vilão dos quadrinhos, com um pé acorrentado a uma bola de ferro, sentada sob um capacete desses de salão de beleza com bobes cozinhando seu cérebro com instruções. Se ela não obedecer ao script o capacete dispara um choque de onze mil volts.

Depois de recusar todas as contra-propostas decidi encerrar o assunto. Seria constrangedor esperar ela se oferecer para pagar do próprio bolso para eu continuar cliente. Tenho coração mole e me compadeço dessas mocinhas só de imaginar a pressão que sofrem. Sabe quantas ameaças de morte elas recebem por dia?

A mocinha da TV foi outra história. Osso duro de roer, ela deve ter levado muitos choques para terminar assim. Agarrou-se a mim desesperada, lutando para não me deixar escapar. Devia ser sua última chance antes do choque fatal. Quando seus argumentos deixaram de surtir efeito, apelou para o terror:

"Seu pedido de cancelamento foi agendado para o dia 30 do próximo mês".

Aí chocado fiquei eu. Protestei. Não era justo pagar quase dois meses por um serviço cancelado! Ameacei chamar o PROCON, a ANATEL e o Chapolin Colorado. Ela disse que "estaria vendo o que poderia estar fazendo". Ela agonizava quando tentou um último argumento, o mais baixo:

"Se o senhor cancelar vai estar perdendo os quinhentos reais que valem o decodificador. Não quer estar deixando sua assinatura no valor básico até estar encontrando um amigo para estar vendendo o equipamento e estar transferindo a assinatura?"

Respondi que preferia "estar perdendo" o dinheiro a um amigo. A empresa, da qual eu era apenas um cliente satisfeito querendo cancelar seus serviços e quiçá um dia voltar, desejava me acorrentar a uma bola de ferro de sua masmorra. Senti-me transformado num radical. Agora eu estava disposto a ligar para lá com uma bomba amarrada ao corpo e cometer um atentado via telefone.

Mesmo assim tentei parecer cordial. A mocinha não tinha culpa de ser açoitada todos os dias com aquele script de retenção de cliente criado por algum gênio do mal.

O assunto ficou resolvido antes que eu usasse o estratagema que usei com o banco que ligou para oferecer um enésimo cartão de crédito. Eu estava ocupado demais para prestar atenção à lista de vantagens que o rapaz papagueava e decidi interromper:

- Por gentileza, leia o que diz a última linha do script que você tem aí na sua frente.

Ele obedeceu como se tivesse sido treinado por Pavlov.

"Agradecemos sua atenção e nos colocamos à disposição".

- De nada. - disse eu, e desliguei.

resenha resenhas resumo resumos livro livros crítica críticas opinião opiniões literatura literaturas comentário comentários

Manual de Boas Maneiras para crianças de todas as idades - Guto Lins

"Com um texto repleto de rimas engraçadas, acompanhado de belas e inusitadas ilustrações feitas pelo próprio autor com pequenos objetos e sucata, esse livro apresenta, para crianças de todas as idades, regras básicas de convivência social com respeito e harmonia. Esse é um bom exemplo de que até mesmo um Manual de Boas Maneiras pode ter uma versão bem-humorada. Dicas para a vida toda!

"Pensa que só adulto precisa de manual de boas maneiras? Nananinanão. Criança que tira meleca com o dedo, fala de boca cheia, solta pum e arrota na frente dos outros, bate nos amigos e conta mentiras... (ufa !) também precisa. Foi pensando nesses capetinhas que Guto Lins escreveu o Manual de boas maneiras para crianças de todas as idades."
O Globo/Globinho, 23/05/2004

GUTO LINS, designer e professor do Departamento de Artes e Design da PUC-Rio, tem ampla experiência no mercado editorial, fonográfico e de entretenimento. É autor e ilustrador renomado de livros infantis, e seu trabalho é reconhecido com o selo "Altamente Recomendável" da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil.


E a gorjeta, doutor?


Respostas: 4 Pessoas comentaram. E você, qual é sua opinião?

Olá Mário.
Comigo aconteceu algo bem parecido, porém resolvi com 7 dias.
Como?
Simples. Eu, já cansado de tentar, resolvi ligar e vendo que não obteria êxito (com acento porque a reforma ortográfica ainda não está vingando), ao final da conversação disse que nossa conversa havia sido gravada e que seria apresentada ao PROCON.
Ainda assim o rapaz tentou contornar a situação dizendo que eu não estava autorizado por lei a gravar sua voz, e eu lhe disse que deveria se inteirar melhor com o advogado da empresa, pois uma vez que eu participava da conversação poderia gravar o que eu quisesse.
No dia seguinte um funcionário da empresa de TV a cabo foi em minha residência e desativou o serviço.
Eles fingem dizer a verdade e eu finjo acreditar.
Forte abraço.

Enviado por Cesar Vianna em 15/11/2008


Não vou lhes dar o desprazer de ler as penúrias pelo qual também passei, mas sou (como todos) vítima de semelhante descalabro.
Telemarketing, spam e panfletagem foi-se o tempo, já estamos enjoados e aterrorizados com eles.
É hora de maior criatividade ... seja para fisgar ou pra soltar o peixe.

Enviado por Mario Câmara em 29/10/2008


Haha, pior quando tentei reaver um chip de celular da BrasilTelecom que tinha uma promoção que eles se arrependeram de criar e queriam exterminar. Uma luta digna de filme.

Agora, a minha empresa é até conhecida pela facilidade de cancelar um serviço conosco.

As vezes liga um cliente revoltado, querendo cancelar tudo, e assim é feito, sem contrapropostas. O cliente fica perdido, sem reação, pois ligou preparado para uma batalha feroz... alguns se arrependem e dizem que "não é bem assim". Outros vão para outro provedor e acabam voltando pela qualidade de nosso atendimento.

Infelizmente ainda não bolei uma forma de divulgar este "benefício" oferecido pela nossa empresa: a facilidade de cancelamento.

Abraço, parabéns pelos textos.

Enviado por Vinicius L. Azevedo em 10/10/2008


Pois é Mário, a única, ÚNICA, boa experiência de pedido de cancelamento foi com a revista The Economist (a edição britânica)

Disse que cancelaria por motivo de mudança de país, no qual eles se ofereceram para mandar gratuitamente para qualquer lugar que fosse do planeta ! Mantive, e cumpriram o prometido -

Quando encerrou, acabou, nada de insistência

Aí, até assinei de novo a edição impressa - quando pedi cancelamento, foi feito no primeiro pedido, sem ficar a tal tortura-padrão das empresas nacionais....

Noutra vez, assinei a versão online, via internet, fácil de assinar, fácil de cancelar - sem provocar o fígado ou os nervos -

As empresas sérias deveriam ser assim, focadas no cliente e não pegajosas e nojentas como são, a sua descrição é até bondosa.

Abraço !

Makoto

Enviado por Makoto Shimizu em 06/10/2008


Publique aqui seu Comentário. Ele ficará visível nesta página. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do autor deste blog.

Quer falar em particular? Envie um e-mail para
contato@mariopersona.com.br

*Nome (obrigatório):

E-Mail (opcional):

Site (opcional):

Comentário

Código de segurança anti-spam:
Digite aqui em letras maiúsculas)


Leia outros textos nos
arquivos.

Gostou do CAFÉ?
Anote no guardanapo e convide alguém!

De: ....
Para:
Comentário:


*Preencha todos os campos.

Mario Persona CAFE


Subscribe Free
Add to my Page

Cardápio Profissional:

Palestra Palestra com Manteiga
Planejamento Planejamento Light
Comunicação Comunicação Quente
Redação Redação com Ovomaltine
Tradução Tradução Inglesa
Experiência Experiência ao Ponto
Imprensa Imprensa na Chapa
Contato Fale com o Garçom

After Hours: Quero Contar, True Stories, Chapter-A-Day, O Pintor em Minha Janela

Copie o endereço RSS para seu leitor de feed O que é RSS?

Livros de Mario Persona

"Ser alguém é ter uma história para contar."
Isak Dinesen

Curioso para saber quem sou? Ok, você pediu. Para poupá-lo, vou começar nos anos 70. Após a fase mauricinho, virei hippie. Isso mesmo. Compus, cantei e toquei em festivais, vivi 3 anos só de macrobiótica e vesti bata de algodão de saco de farinha. Despojamento exterior de um Gandhi, mas vivendo como a rainha da Inglaterra, PAItrocinado no conforto de um apê só meu no Guarujá e faculdade particular em Santos.

Fim dos anos 70, desenhista, designer de ambientes e cartunista, recém formado arquiteto, metido em movimentos de contracultura e volta à natureza, fui morar no mato. Comprei um sítio após uma tentativa frustrada de morar numa comunidade. Onde? Alto Paraiso, GO. Foram 3 anos cantando "Refazenda", criando carrapatos, plantando mato e comendo arroz integral com gersal.

Foi também no fim dos 70 que nasci de novo, após três anos errando à procura de um sentido para a vida em filosofias do extremo oriente. Minha procura terminou no oriente médio
e os anjos ficaram alegres.

Voltei à civilização para continuar a carreira de arquiteto. Tive escritório de arquitetura, fui vendedor de materiais de acabamento, negociador no Banco Itaú e Cia do Metrô, editor de publicações cristãs da Verdades Vivas, tradutor técnico e diretor de comunicação e marketing da Widesoft.

Dinossauro da Internet no Brasil, em 1996 criei meu primeiro site, o bilíngüe
True Stories, seguido do trilíngüe Chapter-A-Day. Trabalhando na Widesoft, criei a comunidade Widebiz e ultimamente mantenho alguns blogs, como este CAFE, o biográfico Quero Contar e o devocional O Pintor em Minha Janela.

Hoje sou
palestrante, escritor, professor e estrategista de comunicação e marketing, além de garçom aqui no Mario Persona CAFE. Para saber mais é só clicar nos docinhos do cardápio profissional lá no alto.

Descobri o ócio criativo e faço que gosto trabalhando em casa. Meus clientes nunca iam ao meu escritório — nem eu — por isso decidi assumir o modelo home-office, conectado a um atendimento profissional, empresas parceiras, ao meu filho
Lucas Persona e aos meus clientes. Adotei o modelo futuro no presente.

Ao lado de minha mesa fica a poltrona de meu filho Pedro, que passa o dia escutando música. Quem é Pedro? Esta é uma outra história que você encontra no livro
"Uma Luta pela Vida", de minha filha Lia Persona, ou acompanhando o blog Quero Contar .

Com tanta
gente lendo meus textos, visitando meu site, assistindo minhas palestras, costumo receber um bom número de e-mails de leitores. Mas nenhum foi tão enigmático quanto aquele que trazia apenas uma pergunta: "Por que você se chama Mario Persona?".

"Você é o contador de histórias de sua própria vida, e poderá ou não criar sua própria lenda."
Isabel Allende



Vida, Carreira & Negócios - PodcastOneVida, Carreira & Negócios - PodcastOne


Powered By Greymatter

Copie o endereço RSS para seu leitor de feed O que é RSS?

 

 

Home | Planejamento | Comunicação | Redação | Tradução | Palestras | Coaching | Crônicas | Experiência | Imprensa | Contato

© Mario Persona Consultoria Ltda. contato@mariopersona.com.br Tel (19) 3038-4283 / Cel (19) 9789-7939 - Limeira - SP - Brasil

moving on, marketing de gente, gestão de mudanças em tempos de oportunidades, receitas de grandes negócios, crônicas de uma internet de verão


© Mario Persona

BlogBlogs.Com.Br Who links to my website?