Mario Persona CAFE - Crônicas de vida, carreira e negócios.

"É prova de alta cultura dizer as coisas mais profundas
do modo mais simples" -
Ralph Waldo Emerson 

Mario Persona é palestrante, escritor, conferencista, consultor, tradutor, professor de comunicação e marketing.

Mario Persona é palestrante, escritor, conferencista, consultor, tradutor, professor de comunicação e marketing.

Mario Persona CAFE

Últimas - Mario Persona CAFE Arquivos - Mario Persona CAFE Receba - Mario Persona CAFE Envie - Mario Persona CAFE Contato - Mario Persona CAFE

Quer publicar estas crônicas em seu site?

[Anterior: "Eu matei Tiradentes"] [Página Inicial] [Próximo: "Desapareci!"]

27/04/2008 Quanto tempo o tempo tem?
por Mario Persona

A escala no Rio de Janeiro promete ser rápida. Os passageiros que saem, saem rápido, e os que entram, entram depressa. De repente, um sinal de alerta. Uma agitação em meu ventre revela mais um passageiro querendo desembarcar.

Será "Alien, o Oitavo Passageiro"? Ou é a moqueca capixaba de ontem, ansiosa para botar o bloco na avenida? Ou, talvez, o amendoim, que comi agora há pouco, brincando de abre-alas? A fila dos que embarcam passa a andar em câmera lenta. A bela atriz, que mandava a gente fazer um 21, passa logo ali, e nem ligo. Minha atenção está toda concentrada na porta-bandeira.

Encolhido na poltrona da janela de um avião prestes a decolar, para mim o banheiro já não é uma opção. Penso em outro filme, "A soma de todos os medos", e procuro não tossir.

O piloto anuncia: "Portas fechadas em automático". "DEIXA EM MANUAL! DEIXA EM MANUAL!", grito em pensamento. Quero ter o controle das portas.

O avião se move na pista e a aeromoça manda apertar os cintos. Eu, hein? Nunca prestei tanta atenção na localização das saídas de emergência, e quase peço para ela repetir a parte da máscara de oxigênio. Quero ter certeza de que os passageiros entenderam.

Sabe quantos buraquinhos e pedrinhas há na pista do Galeão? Eu sei. Enquanto o avião vai taxiando, eu vou contando. Na cabeceira da pista o piloto começa com aquela conversa mole de que precisa aguardar a ordem da torre para decolar, e coisa e tal. Pego meu celular para ligar para a torre, mas o avião acelera.

Decolamos. Enquanto eu penso nos efeitos que a pressurização pode ter sobre meu corpo, não tiro os olhos do aviso de apertar os cintos. "APAGOOOL!", quase grito entusiasmado.

Atropelo os dois passageiros ao lado e disparo em direção ao banheiro dos fundos. Estou quase lá, quando um jovem resolve se levantar e tirar bolsas, malas e mochilas do porta-bagagem, em busca de seu laptop. Enquanto ele decide a melhor maneira de recolocar tudo no lugar, eu espero em pé, ao lado da atriz sentada na poltrona do corredor.

"Se ela me mandar fazer qualquer número agora, vai ser uma tragédia", penso comigo. Me tranqüiliza saber que meu problema é considerado "boa sorte" por gente de teatro.

O rapaz está indeciso se coloca primeiro a bolsa ou a mochila. Para ele aquela indecisão acontece num lapso de segundo. Para mim é uma eternidade, porque nem todos percebem o tempo da mesma maneira.

Pessoas monocrônicas fazem uma coisa de cada vez, levam agendas a sério e se dão bem com relacionamentos de curto prazo. Pessoas policrônicas, por sua vez, fazem um monte de coisas ao mesmo tempo, nunca chegam no horário e constroem relacionamentos para a vida toda. Para as policrônicas, pode levar o tempo que for. Para as monocrônicas, cada minuto conta. Neste momento sou monocrônico e não abro.

Quando você negocia com um norte-americano ou alemão, o tempo gasto com amenidades é muito curto. Eles querem ir direto ao assunto, porque tempo é dinheiro. Mas se o outro for mexicano ou árabe, você só vai conseguir falar de negócios amanhã ou depois. Para essas culturas, é o relacionamento que importa.

Nem precisa sair do país para perceber isso. Coloque um paulista da capital e um baiano para negociarem e você vai perceber essa diferença. Não se trata de certo ou errado, melhor ou pior, mas de diferenças culturais na percepção do tempo. Se o baiano souber manipular o tempo vai fazer o melhor negócio, porque vai ficar falando de amenidades até o paulista se irritar e comprar ou vender pelo preço que for.

É preciso entender isso quando se atua na diversidade de um mundo globalizado, onde você interage com pessoas de baixo e alto contexto. Enquanto você corre ao Google para saber o que é "alto contexto" e "baixo contexto", eu corro ao banheiro para baixar o contexto, porque o rapaz do bagageiro terminou.

De repente descubro que a percepção do tempo também varia conforme as circunstâncias. Eu, que há pouco, era monocrônico, me transformo imediatamente em policrônico. Sentado aqui, o tempo já não importa. Desfruto deste momento sublime, torcendo para que dure uma eternidade. A escola de samba desfila majestosa, ao som da bateria.

Tomara que o avião atrase, que o tráfego aéreo engarrafe, que a Infraero mude o aeroporto de Viracopos para Macapá. "Daqui não saio, daqui ninguém me tira", eu canto em pensamento. De todas as preocupações, só me resta uma: o detector de fumaça.


POSFÁCIO

Todo mundo tem medo de alguma coisa. Eu tenho minha lista também, como ser enterrado vivo ou sair de casa distraído e sem as calças. De minha lista faz parte um medo que já posso assinalar, não como excluído, mas vivido.

Foi mais fácil escrever a crônica de hoje do que passar pela experiência. Leia e diga lá na seção de comentários se este é também um medo de sua lista ou se você tem outros. Talvez a gente possa trocar figurinhas de terror.

A boa notícia é que meu livro "Moving ON", a versão em inglês de "Dia de Mudança", já está à venda na maior livraria do mundo, a Amazon.com Se você estiver me lendo da China e não souber ler português, clique aqui e compre meu livro. Antes, peça para alguém de Macau traduzir o que estou dizendo aqui.

Boa semana,

Mario Persona

P.S. de puro merchandising: Para quem não está na China ou não sabe inglês, vá ao www.buscape.com.br e procure por "Dia de Mudança" para achar o melhor preço. Vão aparecer resultados na seção de transportes, mudanças etc., mas procure na seção de livros. Se não gostar de meus livros, então compre para sua sogra, pois o título é por demais sugestivo. Você ainda vai me agradecer.

resenha resenhas resumo resumos livro livros crítica críticas opinião opiniões literatura literaturas comentário comentários

Previsivelmente Irracional
DAN ARIELY
Sabe por que é tão comum prometermos a nós mesmos que vamos fazer dieta, mas essa idéia desaparece assim que chega a sobremesa? Sabe por que nos surpreendemos comprando coisas de que não precisamos? Sabe por que continuamos com dor de cabeça depois de tomar uma aspirina de cinco centavos, mas essa mesma dor de cabeça desaparece quando a aspirina custa 50 centavos?

Ao concluir a leitura deste livro, você saberá responder a estas e a muitas outras perguntas que têm implicações na vida particular, na vida profissional e no modo como encaramos o mundo. O livro o ajudará a repensar a fundo a forma como você e as pessoas em sua volta agem. Por meio de uma série de experiências divertidas e surpreendentes, Dan Ariely demonstra que a nossa capacidade de raciocínio tem defeitos provocados por forças invisíveis - emoções, relatividade, expectativas, apego, normas sociais - que nos induzem a fazer escolhas "Previsivelmente Irracionais".


E a gorjeta, doutor?


Respostas: 1 Pessoa comentou. E você, qual é sua opinião?

O tempo como referência,minutos,segundos,dias..
não expressa o tempo das senssações. O tempo interno. O tempo que ainda temos é o tempo que resta.
E como não sabemos o quanto, que tal desenhar nesse tempo uma memória para outros tempos.

Enviado por Marcos Vilella em 28/04/2008


Publique aqui seu Comentário. Ele ficará visível nesta página. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do autor deste blog.

Quer falar em particular? Envie um e-mail para
contato@mariopersona.com.br

*Nome (obrigatório):

E-Mail (opcional):

Site (opcional):

Comentário

Código de segurança anti-spam:
Digite aqui em letras maiúsculas)


Leia outros textos nos
arquivos.

Gostou do CAFÉ?
Anote no guardanapo e convide alguém!

De: ....
Para:
Comentário:


*Preencha todos os campos.

Mario Persona CAFE


Subscribe Free
Add to my Page

Cardápio Profissional:

Palestra Palestra com Manteiga
Planejamento Planejamento Light
Comunicação Comunicação Quente
Redação Redação com Ovomaltine
Tradução Tradução Inglesa
Experiência Experiência ao Ponto
Imprensa Imprensa na Chapa
Contato Fale com o Garçom

After Hours: Quero Contar, True Stories, Chapter-A-Day, O Pintor em Minha Janela

Copie o endereço RSS para seu leitor de feed O que é RSS?

Livros de Mario Persona

"Ser alguém é ter uma história para contar."
Isak Dinesen

Curioso para saber quem sou? Ok, você pediu. Para poupá-lo, vou começar nos anos 70. Após a fase mauricinho, virei hippie. Isso mesmo. Compus, cantei e toquei em festivais, vivi 3 anos só de macrobiótica e vesti bata de algodão de saco de farinha. Despojamento exterior de um Gandhi, mas vivendo como a rainha da Inglaterra, PAItrocinado no conforto de um apê só meu no Guarujá e faculdade particular em Santos.

Fim dos anos 70, desenhista, designer de ambientes e cartunista, recém formado arquiteto, metido em movimentos de contracultura e volta à natureza, fui morar no mato. Comprei um sítio após uma tentativa frustrada de morar numa comunidade. Onde? Alto Paraiso, GO. Foram 3 anos cantando "Refazenda", criando carrapatos, plantando mato e comendo arroz integral com gersal.

Foi também no fim dos 70 que nasci de novo, após três anos errando à procura de um sentido para a vida em filosofias do extremo oriente. Minha procura terminou no oriente médio
e os anjos ficaram alegres.

Voltei à civilização para continuar a carreira de arquiteto. Tive escritório de arquitetura, fui vendedor de materiais de acabamento, negociador no Banco Itaú e Cia do Metrô, editor de publicações cristãs da Verdades Vivas, tradutor técnico e diretor de comunicação e marketing da Widesoft.

Dinossauro da Internet no Brasil, em 1996 criei meu primeiro site, o bilíngüe
True Stories, seguido do trilíngüe Chapter-A-Day. Trabalhando na Widesoft, criei a comunidade Widebiz e ultimamente mantenho alguns blogs, como este CAFE, o biográfico Quero Contar e o devocional O Pintor em Minha Janela.

Hoje sou
palestrante, escritor, professor e estrategista de comunicação e marketing, além de garçom aqui no Mario Persona CAFE. Para saber mais é só clicar nos docinhos do cardápio profissional lá no alto.

Descobri o ócio criativo e faço que gosto trabalhando em casa. Meus clientes nunca iam ao meu escritório — nem eu — por isso decidi assumir o modelo home-office, conectado a um atendimento profissional, empresas parceiras, ao meu filho
Lucas Persona e aos meus clientes. Adotei o modelo futuro no presente.

Ao lado de minha mesa fica a poltrona de meu filho Pedro, que passa o dia escutando música. Quem é Pedro? Esta é uma outra história que você encontra no livro
"Uma Luta pela Vida", de minha filha Lia Persona, ou acompanhando o blog Quero Contar .

Com tanta
gente lendo meus textos, visitando meu site, assistindo minhas palestras, costumo receber um bom número de e-mails de leitores. Mas nenhum foi tão enigmático quanto aquele que trazia apenas uma pergunta: "Por que você se chama Mario Persona?".

"Você é o contador de histórias de sua própria vida, e poderá ou não criar sua própria lenda."
Isabel Allende



Vida, Carreira & Negócios - PodcastOneVida, Carreira & Negócios - PodcastOne


Powered By Greymatter

Copie o endereço RSS para seu leitor de feed O que é RSS?

 

 

Home | Planejamento | Comunicação | Redação | Tradução | Palestras | Coaching | Crônicas | Experiência | Imprensa | Contato

© Mario Persona Consultoria Ltda. contato@mariopersona.com.br Tel (19) 3038-4283 / Cel (19) 9789-7939 - Limeira - SP - Brasil

moving on, marketing de gente, gestão de mudanças em tempos de oportunidades, receitas de grandes negócios, crônicas de uma internet de verão


© Mario Persona

BlogBlogs.Com.Br Who links to my website?