Mario Persona CAFE - Crônicas de vida, carreira e negócios.

"É prova de alta cultura dizer as coisas mais profundas
do modo mais simples" -
Ralph Waldo Emerson 

Mario Persona é palestrante, escritor, conferencista, consultor, tradutor, professor de comunicação e marketing.

Mario Persona é palestrante, escritor, conferencista, consultor, tradutor, professor de comunicação e marketing.

Mario Persona CAFE

Últimas - Mario Persona CAFE Arquivos - Mario Persona CAFE Receba - Mario Persona CAFE Envie - Mario Persona CAFE Contato - Mario Persona CAFE

Quer publicar estas crônicas em seu site?

[Anterior: "Só dói quando não rio"] [Página Inicial] [Próximo: "Safra 1955"]

23/02/2006 Bono de Vox
por Mario Persona

O relógio marca 2:45 da madrugada e tive uma inspiração. Devo colocá-la no papel? Geralmente é o que faço. Tenho bloco e caneta no criado-mudo, mas hoje corri para o computador. Se eu não escrever? Pode esquecer...

Chame de intuição, estalo ou inspiração, o certo é que não basta ter, é preciso que esteja associada à oportunidade. Ou, se preferir em latim contemporâneo, timing, que o Houaiss define como "sensibilidade para o momento propício de realizar ou de perceber a ocorrência de algo" e Geraldo Vandré como "quem sabe faz a hora, não espera acontecer".

Comecei a pensar no assunto há duas madrugadas, enquanto assistia a um documentário sobre o incrível Robert Allen Zimmerman, nome bom para um joalheiro, não para um Bob Dylan. Levado a tiracolo para o movimento dos direitos civis por Joan Baez, é o típico caso do talento que se transformou em evento graças ao timing do vento. Nossa! Não acredito que fiz esta rima ridícula!

Acho que é porque "Blowing in the Wind" — adotado como hino dos direitos civis — está despenteando meus neurônios. Mas foi assim. Protestar contra a discriminação nos EUA era a bola da vez.

Mas não foi só Dylan quem ganhou com o timing. Não havia na Inglaterra um ativismo social igual, mas havia uma boa hora para uma banda do bem e outra do mal: Beatles e Rolling Stones.

Bem, no princípio os dois eram do mal, vestidos de couro e cabelos desgrenhados, mas Brian Epstein decidiu lançar os Beatles comportados, de terninho e cabelinho Channel, uma alternativa higiênica para os Rolling Stones. Assim papai e mamãe podiam deixar os filhinhos irem aos shows.

John Lennon foi o Bob Dylan dos Beatles no timing de seu protesto. Vai ter fã querendo me matar como fizeram com ele, mas está na cara que ele soube e fez a hora, despindo-se literalmente dos valores ocidentais e adotando, também literalmente, valores orientais. Que o timing estava correto, isso estava. Senso de oportunidade é geralmente traduzido como sorte por quem vive reclamando que não tem e morre de inveja de quem tem.

Agora que já estou jurado de morte pelos fãs de Bob Dylan e John Lennon não custa nada falar do senso de oportunidade de Bono Vox, pseudônimo de Paul David Hewson. Assim como Bob Dylan e John Lennon, cada um em sua época e ao seu modo, Bono Vox é referência na era da inclusão social — U2 lê-se "You Too" ou "Você Também".

Entenda que ter senso de oportunidade não é o mesmo que ser oportunista, no mau sentido. É sinal de inteligência, de saber aliar sua arte a uma causa ou sua causa a uma arte, de unir o útil ao agradável. É por falta de timing que muitas estrelas de menor grandeza não passam de aquecimento para shows maiores. O que não deixa de ser uma oportunidade.

Ah! Há outra coisa que preciso incluir neste tema tão oportuno: senso de oportunidade depende de presença de espírito e boa comunicação. Duas coisas que Bono Vox demonstrou ter numa entrevista mais ou menos assim:

— O que acha de seu show ser depois dos Rolling Stones, que atraíram mais de um milhão de pessoas?

— Acho ótimo que tenham feito o aquecimento do público brasileiro para nosso show — respondeu o artista espirituoso e bom de papo. Ou, na gíria em latim que deviam usar na Roma antiga, "bono de vox".

[>> Envie a um amigo >>]

Use o formulário abaixo para comentar.

resenha resenhas resumo resumos livro livros crítica críticas opinião opiniões literatura literaturas comentário comentários

Os Meios Justificam os Fins: Gestão Baseada em Valores...
RICARDO VARGAS

A missão, a visão e os valores, em muitas empresas, são definidos e expostos na parede, mas não são usados na gestão de pessoas. Existem programas de responsabilidade social e códigos de ética que são confundidos com filantropia e adotados apenas como fonte de marketing. O essencial da ética empresarial tem passado ao largo das abordagens tradicionais.

Ricardo Vargas redefine a ética empresarial, propondo um modelo para sua gestão. Cada pessoa tem uma ética, uma maneira de tomar decisões e agir em consonância com seus valores, e as empresas também procuram estabelecer uma ética, agregando colaboradores em torno de uma missão e de valores definidos, para realizar uma visão e concretizar objetivos de negócios. Muitas vezes, porém, a ética desejada da empresa e a de seus colaboradores não coincidem. Quando isso acontece, há um enorme desperdício de recursos, gastos em atividades não produtivas.

Combinando experiência no desenho de processos de mudança organizacional e de gestão da ética com conhecimentos científicos sobre o comportamento humano, este livro é uma ferramenta indispensável em programas de desenvolvimento de líderes; interessa a todos que querem melhorar suas competências de administração de empresas utilizando a ética como ferramenta de liderança.

E a gorjeta, doutor?


Respostas: 3 Pessoas comentaram. E você, qual é sua opinião?

I still haven’t found what I’m looking for

Há quanto tempo você não pára para pensar se está no caminho certo?
Aliás, você tem alguma pista sobre o verdadeiro motivo de estar aqui?

Eu já vi um rockeiro sessentão tão sexy e contagiante como nenhum outro de 20
Eu já vi uma banda irlandesa torcer generosamente pelo meu país
Eu já vi toda angústia pós-adolescente cantada no tom grave de um cara que morreu ‘literariamente’ de prazer
Eu já vi a irreverência morrer aos 20 e poucos anos porque uma montanha estava na rota de colisão de um avião
Eu já vi a alma de uma banda renascer só pra cantar
Eu já vi grandes românticos morrerem de porre e outros tantos de overdose
But I still haven’t found what I’m looking for
Eu já passei na escola
Eu já emoldurei diplomas
Eu já fiz curso de jóias
Eu já aprendi a dançar
Eu já brilhei ao decorar
E eu já sei que tenho tanto pra contar
But I still haven’t found what I’m looking for
Eu já recebi carta perfumada
Eu já andei de mão dada
Eu já fui casada
Eu já apostei em alguém que era só de fachada
Eu já sei que tem gente que não tá com nada
Eu já acreditei estar de alma lavada
But I still haven’t found what I’m looking for
Eu já tive medo do meu pai
Eu já corri atrás do meu próprio rabo
Eu já recebi filhos pra tomar conta
Eu já acreditei em pessoas que me maltrataram
Eu já fui traída na essência por quem menos esperava
Eu já me empolguei mil vezes
But I still haven’t found what I’m looking for
Não sou vítima da minha própria história
Nem a gostosona que se acha a tal
Tampouco sei se perco tempo querendo entender
Da minha vida o objetivo final
And I still haven’t found what I’m looking for
Você conhece a sua própria história?

Beijo

Heloísa Helena é jornalista e diretora da Prima Pagina Projetos de Comunicação

"As opiniões expressas em artigos assinados não correspondem, necessariamente, às do GuarulhosWeb, podendo ser contrárias a elas. O GuarulhosWeb não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos assinados."

Cá entre Nós

--------------------------------------------------------------------------------

16/2/2006 09:00:48 -QUEM SEGURA A ONDA DE QUEM?
1/2/2006 08:50:27 -AGORA É PRA VALER!
22/12/2005 09:14:16 -AMPLIE SUA GENEROSIDADE
14/12/2005 10:01:18 -NA ONDA DAS “SURFISTINHAS”
7/12/2005 09:30:17 -ABAIXO AS ALMAS GÊMEAS!!!

Enviado por Heloísa Helena em 03/03/2006


Recebi mais uma excelente crônica do Sérgio Lapastina que menciona o que escrevi. Você pode visitar o blog dele clicando no meu nome logo abaixo, no qual coloquei um link para lá. Na última, ele escreve:

"Outro dia escrevi que esse ano não ia existir. Continuo achando, mas sou obrigado a assumir que, diante de tudo o que já aconteceu, que vai ser um não existir com pepipo pra caramba pra gente resolver.

Meu amigo e guru Mário Persona escreveu hoje que finalmente, na próxima semana, o ano vai começar. (como Mário, não foi você? Ah, tudo bem... também isso não tem a menor importância).

E o pior é sou obrigado a concordar com ele (puro modo de dizer, já que concordar com um cara como o Persona é sempre uma demonstração de inteligência e bom senso): perceberam que está no ar um "que" de tristeza? Acabaram as férias. "

Enviado por Mario Persona em 24/02/2006


Oi Mario! Havia um bom tempo que nao recebia seus emails "Cafe"... talvez algum anti-span por aqui...
Bem, acessei seu blog, e fui surfando por ele e seus links... achei o site do seu filho (muito bom!) e o blog da LocaWeb. Vendo uma foto dos escritorios num texto sobre o carnaval, postei uma mensagem que dá assunto pra voce...
Lobo abaixo...
Grande abraço,
Eduardo Ferreira
Fiat do Brasil

"Vendo as fotos vi uma coisa interessante. Achei que só aqui na minha empresa é que os escritorios eram chatos…. O mesmo layout, baias e mais baias, a mesma cor creme pastel, etc… aqui eles implantaram um programa “Mesa Limpa”, eliminando ainda mais qualquer tipo de personalizacao em nosso ambiente de trabalho… acho que já era hora dos escritorios serem menos corporativos e mais humanos, mais estimulantes…. "

Enviado por Eduardo em 23/02/2006


Publique aqui seu Comentário. Ele ficará visível nesta página. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do autor deste blog.

Quer falar em particular? Envie um e-mail para
contato@mariopersona.com.br

*Nome (obrigatório):

E-Mail (opcional):

Site (opcional):

Comentário

Código de segurança anti-spam:
Digite aqui em letras maiúsculas)


Leia outros textos nos
arquivos.

Gostou do CAFÉ?
Anote no guardanapo e convide alguém!

De: ....
Para:
Comentário:


*Preencha todos os campos.

Mario Persona CAFE


Subscribe Free
Add to my Page

Cardápio Profissional:

Palestra Palestra com Manteiga
Planejamento Planejamento Light
Comunicação Comunicação Quente
Redação Redação com Ovomaltine
Tradução Tradução Inglesa
Experiência Experiência ao Ponto
Imprensa Imprensa na Chapa
Contato Fale com o Garçom

After Hours: Quero Contar, True Stories, Chapter-A-Day, O Pintor em Minha Janela

Copie o endereço RSS para seu leitor de feed O que é RSS?

Livros de Mario Persona

"Ser alguém é ter uma história para contar."
Isak Dinesen

Curioso para saber quem sou? Ok, você pediu. Para poupá-lo, vou começar nos anos 70. Após a fase mauricinho, virei hippie. Isso mesmo. Compus, cantei e toquei em festivais, vivi 3 anos só de macrobiótica e vesti bata de algodão de saco de farinha. Despojamento exterior de um Gandhi, mas vivendo como a rainha da Inglaterra, PAItrocinado no conforto de um apê só meu no Guarujá e faculdade particular em Santos.

Fim dos anos 70, desenhista, designer de ambientes e cartunista, recém formado arquiteto, metido em movimentos de contracultura e volta à natureza, fui morar no mato. Comprei um sítio após uma tentativa frustrada de morar numa comunidade. Onde? Alto Paraiso, GO. Foram 3 anos cantando "Refazenda", criando carrapatos, plantando mato e comendo arroz integral com gersal.

Foi também no fim dos 70 que nasci de novo, após três anos errando à procura de um sentido para a vida em filosofias do extremo oriente. Minha procura terminou no oriente médio
e os anjos ficaram alegres.

Voltei à civilização para continuar a carreira de arquiteto. Tive escritório de arquitetura, fui vendedor de materiais de acabamento, negociador no Banco Itaú e Cia do Metrô, editor de publicações cristãs da Verdades Vivas, tradutor técnico e diretor de comunicação e marketing da Widesoft.

Dinossauro da Internet no Brasil, em 1996 criei meu primeiro site, o bilíngüe
True Stories, seguido do trilíngüe Chapter-A-Day. Trabalhando na Widesoft, criei a comunidade Widebiz e ultimamente mantenho alguns blogs, como este CAFE, o biográfico Quero Contar e o devocional O Pintor em Minha Janela.

Hoje sou
palestrante, escritor, professor e estrategista de comunicação e marketing, além de garçom aqui no Mario Persona CAFE. Para saber mais é só clicar nos docinhos do cardápio profissional lá no alto.

Descobri o ócio criativo e faço que gosto trabalhando em casa. Meus clientes nunca iam ao meu escritório — nem eu — por isso decidi assumir o modelo home-office, conectado a um atendimento profissional, empresas parceiras, ao meu filho
Lucas Persona e aos meus clientes. Adotei o modelo futuro no presente.

Ao lado de minha mesa fica a poltrona de meu filho Pedro, que passa o dia escutando música. Quem é Pedro? Esta é uma outra história que você encontra no livro
"Uma Luta pela Vida", de minha filha Lia Persona, ou acompanhando o blog Quero Contar .

Com tanta
gente lendo meus textos, visitando meu site, assistindo minhas palestras, costumo receber um bom número de e-mails de leitores. Mas nenhum foi tão enigmático quanto aquele que trazia apenas uma pergunta: "Por que você se chama Mario Persona?".

"Você é o contador de histórias de sua própria vida, e poderá ou não criar sua própria lenda."
Isabel Allende



Vida, Carreira & Negócios - PodcastOneVida, Carreira & Negócios - PodcastOne


Powered By Greymatter

Copie o endereço RSS para seu leitor de feed O que é RSS?

 

 

Home | Planejamento | Comunicação | Redação | Tradução | Palestras | Coaching | Crônicas | Experiência | Imprensa | Contato

© Mario Persona Consultoria Ltda. contato@mariopersona.com.br Tel (19) 3038-4283 / Cel (19) 9789-7939 - Limeira - SP - Brasil

moving on, marketing de gente, gestão de mudanças em tempos de oportunidades, receitas de grandes negócios, crônicas de uma internet de verão


© Mario Persona

BlogBlogs.Com.Br Who links to my website?