Mario Persona CAFE - Crônicas de vida, carreira e negócios.

"É prova de alta cultura dizer as coisas mais profundas
do modo mais simples" -
Ralph Waldo Emerson 

Mario Persona é palestrante, escritor, conferencista, consultor, tradutor, professor de comunicação e marketing.

Mario Persona é palestrante, escritor, conferencista, consultor, tradutor, professor de comunicação e marketing.

Mario Persona CAFE

Últimas - Mario Persona CAFE Arquivos - Mario Persona CAFE Receba - Mario Persona CAFE Envie - Mario Persona CAFE Contato - Mario Persona CAFE

Quer publicar estas crônicas em seu site?

[Anterior: "Profissão palestrante"] [Página Inicial] [Próximo: "Cenas de nudez"]

01/02/2006 Ex-Zécutivo
por Mario Persona

Oi Zé. Doutor José?! Deixe disso, cara, hoje vou tratá-lo de Zé mesmo, pois um dia você foi só isso. Quero falar com você. Pode me dar cinco minutos? Dois? Sei que não tem tempo, que está correndo feito louco, mas o que quero dizer é importante para você não ficar isso mesmo — louco — quando a correria acabar.

Verdade, a correria acaba. Nada dura para sempre. Quantas vezes nos últimos dias você ouviu a frase "Não trabalha mais aqui" ao ligar para alguém? Antigamente não tinha disso, né? Pois é, novos tempos. Seja humilde. Muito do que você pensa que tem não é seu.

Sabe o Júnior, aquele cheio de MBA disso e MBA daquilo, que fala até mandarim? Olha, Zé, é melhor você emagrecer que seu paletó vai para ele. Você já foi o rei da cocada preta, hoje não é mais. Isso mudou! Deu cem dias sem resultados e vai ter alguém atendendo seu telefone e dizendo: "Não trabalha mais aqui".

Tudo bem que você vai sair como quem sai e não como quem é saído. Executivos são jogados na rua com tapete vermelho, até para resguardar a imagem da empresa. Vão dizer que saiu para desenvolver projetos próprios — procurar emprego —, buscar novos desafios — pesquisar nos classificados — e se dedicar mais à família — viver às custas da mulher.

Por isso, comece a baixar a bola porque ela é emprestada. Dirija devagar o seu andor, porque você é de barro. Pode nem ser você quem está na reta, mas seu patrão. Empresários também são demitidos pelo mercado.

É provável que você não se aposente como executivo. Pouca gente vai conseguir. Acostume-se com a idéia de não estar no próximo congresso para ver o Peter Drucker e outros gurus. Ele passou e você um dia vai passar. Por isso, seja humilde.

Aprenda desde já a viver como um simples mortal — pegar fila em banco, andar de ônibus, comer pastel de feira. Pode não ter o glamour com o qual está acostumado, mas é menos estressante do que a vida que você leva agora. Por sinal, lembre-se de deixar o glamour na portaria junto com o crachá. Pertence à empresa.

Não se iluda com sua rede de relacionamentos. Muitos são amigos apenas da donzela que viaja de Zepelim. Quando o balão se vai você volta a ser Geni. Para outros, daquela gaveta cheia de cartões de executivos que colecionou em eventos, você pode até ligar. "Não trabalha mais aqui".

Comece a desenvolver seu "Plano B" desde já, pois vai precisar dele. Pode virar consultor ou até palestrante. Você não imagina o currículo de pessoas que me procuram atrás de dicas. Fico sem acreditar que tenha algo a ensinar para pessoas com uma bagagem tão maior que a minha.

Existe algo que saiba fazer? Sei lá, cozinhar, costurar, fazer contas. Pode precisar, quando abrir seu restaurante por quilo, sua confecção de biquínis ou para fazer em casa a contabilidade de seus novos clientes. Tudo bem, pode se apresentar como "chef", "designer de moda" ou fazer a declaração do imposto de renda dos amigos em "home-office", se quiser acrescentar glamour às suas novas atividades. Mas se não souber fazer nada, seja humilde e volte a estudar.

Não tenho mais dicas para dar. Ah, sim! Mais uma: seja humilde. Eu já disse? Tudo bem, é a idade. Por falar nisso, qual é a sua? Sabe que isso influi, não sabe? Pois é. Portanto, seja humilde. Eu sei, eu já disse. >>> [>> Envie a um amigo >>]




Recebi vários e-mails comentando esta crônica. Mas nenhum expressou tão bem o sentimento de um ex-executivo. Por isso publico o texto abaixo:

Foi isso que me aconteceu — a transmutação de executivo para ex-Zécutivo — foi bem isso mesmo, uma transmutação. Bem na linha dos alquimistas, que tentavam transmutar metal comum em ouro, aconteceu comigo de transformar-me noutro indivíduo.

Não em um indivíduo-ouro, que ainda estou a anos-luz disso, mas certamente noutro tipo de pessoa — mais consciente de suas deficiências; mais lúcida quanto ao seu significado no mundo, longe daquela prepotência antiga, mais capaz de ser efetivamente útil — mesmo que ainda não o esteja sendo a pleno potencial — mais, muito mais humilde e, por conseqüência desse último ponto, envergonhado das atitudes e comportamentos de antes. Se eu fosse meu funcionário, nos velhos tempos, teria me mandado à @#$*&%, já reconheci para alguns ex-colegas (ou ex-vítimas, como preferir).

O afastamento dos pseudo-amigos foi motivo de sofrimento e angústia num primeiro momento. Hoje, é motivo de alívio, como se perigos ocultos tivessem se distanciado. Em contrapartida, a identificação dos "amigos de fé", aqueles com quem se pode contar, é motivo de alegria e novas certezas.

A mordida da "pobreza" (não chega a tanto, longe disso, mas financeiramente minha situação é muito diferente do que era — tenho o suficiente para viver com dignidade, enquanto antes superabundava o excesso) me forçou a um reajuste nos padrões de consumo, priorizando o que realmente importa e o resto, se sobrar... ótimo! Posicionou-me mais próximo da maioria esmagadora das pessoas que me cercam, e desinflou minha bola egoísta e vaidosa. Doeu? Claro, mas não me matou e me fez mais humano.

Ainda sinto falta da vida de antes — o carrão totalmente bancado pela empresa, a moradia, a comilança, as viagens, os hotéis de primeira, e o puxa-saquismo dos da equipe, os salamaleques dos fornecedores, os happy-hours, os tapetes macios, o ar-condicionado dos escritórios, e vai por aí afora. Um monte de coisas que me afastavam da realidade, com as quais criei uma redoma de poder ilusório e... tolo.

Mas essa saudade está cada vez mais longe. Hoje, sinceramente, peço a Deus que não apareça nenhum convite ou oportunidade antes que meu organismo moral, se posso dizer assim, esteja devidamente imunizado contra a mosca azul.

Não sei se meus valores mudaram. Se hoje persigo referenciais melhores, não creio que surgiram agora, mas estavam amortecidos pela ilusão de antes. Se corria atrás das bolas coloridas da vaidade e do supérfluo, hoje busco coisas mais efetivas. Quero virar o jogo sim, como você mesmo disse, mas "virar" mesmo — não voltar ao que era, mas passar para algo melhor, e creio que você entende do que estou falando. E certamente não é o que era o antes...


Use o formulário abaixo para comentar.

resenha resenhas resumo resumos livro livros crítica críticas opinião opiniões literatura literaturas comentário comentários

Desenhando o Futuro: Transições de Vida e Carreira
MARIÁ GIULIESE

Esta obra vem suprir a falta de literatura que trate de transição e carreira de uma maneira mais pessoal e do ponto de vista do ser humano. A autora mostra a experiência da transição de vida e carreira com o auxílio de casos reais. O livro apresenta ao leitor como tratar da relação do homem com ele mesmo, com o trabalho, sociedade e carreira, além de abordar o desenvolvimento e a transição de carreira e um roteiro que ajudará a revisar sua trajetória.

Mariá Giuliese é psicóloga especializada em psicanálise e psicologia organizacional, mestranda em psicologia clínica pela PUC – São Paulo. Desde 1978 orienta e aconselha executivos e atua como professora e consultora em cursos e projetos. É diretora executiva da Lens & Minarelli, especialista em análise e aconselhamento de carreira para diretores e presidentes.

E a gorjeta, doutor?


Respostas: 9 Pessoas comentaram. E você, qual é sua opinião?

ringtones free

Enviado por kdhx9lw@dmoz.org em 22/06/2006


GOSTEI DESTA CRÔNICA , INFELIZMENTE OU FELIZMENTE, RETRATA OS DIAS ATUAIS

Enviado por Yara Toyoshima em 15/02/2006


Olá!
Há pouco tempo estou tendo a oportunidade de ler seus artigos. Este último, "Ex-Zécutivo", é uma expressão muito boa do mercado de trabalho atual: competição.
Deixo aqui meus parabéns pela crônica e um muito obrigado pela oportunidade de compartilhar dessas palavras.

Grande abraço!

Enviado por Ernandes Montoya em 03/02/2006


Ola Mario...

Muito boa a sua cronica da semana...

Aproveito e te convido pra dar uma passadinha pelo meu Blog, claro que nao escreve como vc, mas... Se puder fazer uma critica...

Abraço

Enviado por Willian Gans em 03/02/2006


Mário, muito bom poder te ler, parabéns pela exposição, de coisas que diariamente entalam em nossas gargantas, e corações.

Enviado por Casti em 02/02/2006


Mario,

Há muitos anos, desde que te adicionei no meu icq (que já nem uso mais...), leio e não me canso de admirar o conteúdo das tuas crônicas, que de humilde não têm nada, apesar do teu jeito simples e bem humorado de ser e de escrever.

Essa percepção sobre a fragilidade das vaidades é reconhecidamente antiga... nos remete aos tempos de Salomão.
Mas um olhar tão contemporâneo, tão moderno e inspirador é também luz para nossos pés, estejam eles descalços ou fantasiados com cromo italiano.

Sei que a tua humildade não aceita o título, mas você é o cara!

Abração, querido!

Enviado por Enio Souza em 02/02/2006


Mário,

FANTÁSTICO!

Com seu humor tão característico, vc tocou num assunto muito sério e que passa batido para a maioria de nós.

Vivi a experiência de executivo e hoje vivo a de ex-zecutivo e sei bem do que vc está falando. Pago o preço das vezes em que pisei na bola, mas recolho, por outro lado, os benefícios de quando de quando agi com humildade. E experimento na pele o que antes sabia de teoria ou de ouvir falar - o afastamento dos "amigos". Em compensação, sei hoje quem são realmente os AMIGOS.

Mais uma vez, vc foi muito feliz na escolha e na forma de abordagem.

Um grande abraço.

Enviado por José Lourenço em 01/02/2006


Parabéns!!!! Gostei muito!!
Concordo com a idéia e acho importante meditarmos nisso.

Conheço muitos que só se sentem "gente" pelo uso da identidade que lhe foi "emprestada" pela grande empresa onde trabalham, ostentada em seus cartões de visita.
Nem respondem pelo nome próprio, só pelo composto "nome+cargo+empresa".
Mas... isso acaba um dia. E uma das possíveis interpretações do termo humildade é: "reconhecer o valor das outras pessoas... é ver o outro...". A soberba cega os nossos olhos!!!!
Por fim, uma das coisas que restará ao "Zé", quando tudo se for, são os relacionamentos cultivados ao longo de sua vida e sem humildade (considerar a pessoa do outro) não construirá nenhum relacionamento verdadeiro e duradouro

Enviado por José Luís Palmeira em 01/02/2006


ô Mario!
O tema, embora conhecido, ganhou novas luzes nesta tua forma apaixonada e convincente de escrever. E tua humildade encanta a gente. Parabéns!
É claro que repassei o sitio virtual com esta crônica a vários amigos meus, pretendentes (ou usuários) da chancela de executivos. Espero que usufruam dos teus conselhos.
Abraço
Arno

Enviado por Arno Dallmeyer em 01/02/2006


Publique aqui seu Comentário. Ele ficará visível nesta página. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do autor deste blog.

Quer falar em particular? Envie um e-mail para
contato@mariopersona.com.br

*Nome (obrigatório):

E-Mail (opcional):

Site (opcional):

Comentário

Código de segurança anti-spam:
Digite aqui em letras maiúsculas)


Leia outros textos nos
arquivos.

Gostou do CAFÉ?
Anote no guardanapo e convide alguém!

De: ....
Para:
Comentário:


*Preencha todos os campos.

Mario Persona CAFE


Subscribe Free
Add to my Page

Cardápio Profissional:

Palestra Palestra com Manteiga
Planejamento Planejamento Light
Comunicação Comunicação Quente
Redação Redação com Ovomaltine
Tradução Tradução Inglesa
Experiência Experiência ao Ponto
Imprensa Imprensa na Chapa
Contato Fale com o Garçom

After Hours: Quero Contar, True Stories, Chapter-A-Day, O Pintor em Minha Janela

Copie o endereço RSS para seu leitor de feed O que é RSS?

Livros de Mario Persona

"Ser alguém é ter uma história para contar."
Isak Dinesen

Curioso para saber quem sou? Ok, você pediu. Para poupá-lo, vou começar nos anos 70. Após a fase mauricinho, virei hippie. Isso mesmo. Compus, cantei e toquei em festivais, vivi 3 anos só de macrobiótica e vesti bata de algodão de saco de farinha. Despojamento exterior de um Gandhi, mas vivendo como a rainha da Inglaterra, PAItrocinado no conforto de um apê só meu no Guarujá e faculdade particular em Santos.

Fim dos anos 70, desenhista, designer de ambientes e cartunista, recém formado arquiteto, metido em movimentos de contracultura e volta à natureza, fui morar no mato. Comprei um sítio após uma tentativa frustrada de morar numa comunidade. Onde? Alto Paraiso, GO. Foram 3 anos cantando "Refazenda", criando carrapatos, plantando mato e comendo arroz integral com gersal.

Foi também no fim dos 70 que nasci de novo, após três anos errando à procura de um sentido para a vida em filosofias do extremo oriente. Minha procura terminou no oriente médio
e os anjos ficaram alegres.

Voltei à civilização para continuar a carreira de arquiteto. Tive escritório de arquitetura, fui vendedor de materiais de acabamento, negociador no Banco Itaú e Cia do Metrô, editor de publicações cristãs da Verdades Vivas, tradutor técnico e diretor de comunicação e marketing da Widesoft.

Dinossauro da Internet no Brasil, em 1996 criei meu primeiro site, o bilíngüe
True Stories, seguido do trilíngüe Chapter-A-Day. Trabalhando na Widesoft, criei a comunidade Widebiz e ultimamente mantenho alguns blogs, como este CAFE, o biográfico Quero Contar e o devocional O Pintor em Minha Janela.

Hoje sou
palestrante, escritor, professor e estrategista de comunicação e marketing, além de garçom aqui no Mario Persona CAFE. Para saber mais é só clicar nos docinhos do cardápio profissional lá no alto.

Descobri o ócio criativo e faço que gosto trabalhando em casa. Meus clientes nunca iam ao meu escritório — nem eu — por isso decidi assumir o modelo home-office, conectado a um atendimento profissional, empresas parceiras, ao meu filho
Lucas Persona e aos meus clientes. Adotei o modelo futuro no presente.

Ao lado de minha mesa fica a poltrona de meu filho Pedro, que passa o dia escutando música. Quem é Pedro? Esta é uma outra história que você encontra no livro
"Uma Luta pela Vida", de minha filha Lia Persona, ou acompanhando o blog Quero Contar .

Com tanta
gente lendo meus textos, visitando meu site, assistindo minhas palestras, costumo receber um bom número de e-mails de leitores. Mas nenhum foi tão enigmático quanto aquele que trazia apenas uma pergunta: "Por que você se chama Mario Persona?".

"Você é o contador de histórias de sua própria vida, e poderá ou não criar sua própria lenda."
Isabel Allende



Vida, Carreira & Negócios - PodcastOneVida, Carreira & Negócios - PodcastOne


Powered By Greymatter

Copie o endereço RSS para seu leitor de feed O que é RSS?

 

 

Home | Planejamento | Comunicação | Redação | Tradução | Palestras | Coaching | Crônicas | Experiência | Imprensa | Contato

© Mario Persona Consultoria Ltda. contato@mariopersona.com.br Tel (19) 3038-4283 / Cel (19) 9789-7939 - Limeira - SP - Brasil

moving on, marketing de gente, gestão de mudanças em tempos de oportunidades, receitas de grandes negócios, crônicas de uma internet de verão


© Mario Persona

BlogBlogs.Com.Br Who links to my website?