Mario Persona CAFE - Crônicas de vida, carreira e negócios.

"É prova de alta cultura dizer as coisas mais profundas
do modo mais simples" -
Ralph Waldo Emerson 

Mario Persona é palestrante, escritor, conferencista, consultor, tradutor, professor de comunicação e marketing.

Mario Persona é palestrante, escritor, conferencista, consultor, tradutor, professor de comunicação e marketing.

Mario Persona CAFE

Últimas - Mario Persona CAFE Arquivos - Mario Persona CAFE Receba - Mario Persona CAFE Envie - Mario Persona CAFE Contato - Mario Persona CAFE

Quer publicar estas crônicas em seu site?

[Anterior: "Encarando o novo, sem dor de barriga"] [Página Inicial] [Próximo: "Mensagem a um formando"]

21/01/2004 É pau? É corpo? É o fim da conversa.
por Mario Persona

É pau? É corpo? É o fim da conversa.

O silêncio na mente dos dois pescadores só era quebrado pelo violino solo de algum mosquito. Ou pelo mergulho da isca naquelas águas sonolentas, desenhando um leve bocejar de lábios marolas. Silvino era o fazendeiro, amigo de meu pai, que pescava com o capataz e piloto da canoa. Mas foi o capataz quem viu.

Aquilo na água parece um corpo, seu Silvino – sussurrou o capataz.
É não - retrucou Silvino sem olhar. – É um pau.
Acho que é um corpo – insistiu.
Vamos ver... – desistiu Silvino, antes que o ser ou não ser virasse questão.

Era um corpo. Avisada a polícia, o cadáver deu mais trabalho para o Silvino do que para o assassino. Boletim de ocorrência daqui, inquérito dali, declaração de acolá, sua vida virou um inferno. Era uma época em que cadáveres eram raros e ser delegado de interior um tédio.

Os tempos mudaram. Coisas importantes ficaram banais e coisas banais não mais. O corpo que Silvino achou então, hoje não teria encontrado. O delegado não teria perturbado, o capataz não teria enxergado. Todos estariam de costas, até peixes e mosquitos. As pessoas ficaram mais céticas, mais escoladas, mais escaldadas.

Tudo mudou, menos a comunicação de algumas empresas que insistem em comunicar como comunicavam nossos pais. Os mesmos clichês para uma geração que duvida de tudo o que cheire a blá-blá-blá. Como conquistar essa geração? Ou primeiro, como reter sua atenção?

Antes de ser competitiva no mercado, a empresa precisa ser competitiva na comunicação. Precisa chamar e reter atenção se quiser gerar ação. Pelo menos era essa a tônica de um artigo que li anunciando as "Dez Previsões Para o Novo Ano" na área de conteúdo para sites empresariais. Como escrevo para a Web, o assunto me interessou.

Por que? Porque nesta questão eu sou fornecedor, mas também sou cliente. Antes de criar textos eficazes para websites alheios, tenho que me livrar do espeto de pau de minha casa de ferreiro. Tem que funcionar para mim.

Cada vez mais gente vai à Internet procurar produtos e serviços. Então, ser encontrado ali é estratégico. Depois de atrair, reter a atenção é vital, pois o concorrente está a um clique de distância apenas.

Ninguém vai encontrar seu site bonito se ele não tiver as palavras certas. O belo só serve depois de criado o primeiro elo. Uma vez achado, é preciso ir direto ao assunto porque ninguém tem tempo a perder.

Contei cinco minutos de abertura cinematográfica, com naves espaciais, planetas e robôs ao som de uma batida high-tech, antes de aparecer um menu. Não era um site de uma banda de rock, mas de um fabricante de equipamentos industriais.

O que o seu gerente iria pensar de você assistindo uma animação assim no trabalho? Adiantará dizer que estava fazendo uma cotação? Você é quem conhece o chefe. As empresas querem resultados. Rápido.

Talento é essencial para escrever na Web. Dizer logo o que o cliente quer ouvir, destacar o que ele precisa, oferecer aquilo que resolve. Ele irá encontrar o que buscou, conversar com quem encantou e comprar o que sempre sonhou. Fogos de artifício enfeitam, mas não convencem. Ainda usamos palavras para convencer.

Tudo ia bem no artigo que li até descobrir que "As Dez Previsões Para o Novo Ano" nada mais eram do que dez serviços que ele estava tentando me oferecer. Minha confiança desmoronou. Era a raposa prevendo que este ano as galinhas mais chiques dormirão fora do poleiro. Sujou e não colou, como a conversa do capataz na pescaria dois anos depois.

O silêncio era o mesmo da outra vez. O rio, a canoa, as varas, tudo igual. Até os mosquitos. De novo mesmo, só um pau boiando perto da margem. Um pau?

Acho que é outro corpo – comentou o capataz com voz lúgubre.
É um pau – sentenciou Silvino.
E se for um corpo?
Serão dois se você não ficar quieto.

REDAÇÃO PUBLICITÁRIA - JOAO ANZANELLO CARRASCOZA
Muito bom para ler e reler. Oito ensaios sobre redação publicitária que desvendam a arte de persuadir com palavras e seu mecanismo no cérebro. Títulos atraentes, texto elaborado, discurso deliberado. Tudo aparece aqui para mostrar que a redação ainda é a campeã para levar o cliente à ação. Ação de comprar o que você tem para vender.
O prefácio é de Roberto Dualibi, de quem recorto algo que tem tudo a ver com minha crônica acima: "Antigamente a imagem tinha mais crédito, porque se partia do axioma de que as fotografias não podiam ser manipuladas. Hoje, como sabemos, as técnicas de computação gráfica permitem reconstruí-las até o último limite da fantasia... Uma boa imagem pode ser excitante, mas nem sempre é auto-explicável. Ela pode mostrar o instante, mas não o momento anterior, nem o posterior – que são elementos fundamentais de qualquer argumento."

E a gorjeta, doutor?


Respostas: 3 Pessoas comentaram. E você, qual é sua opinião?

GOSTEI DO SEUS LIVROS QUERO SUGESTAO DE EDITORAS QUE PUBLICAMLIVROS COM FINANCIAMENTO OU ALGUM ORGAO DO GOVERNO QUE FOMENTA OU PATROCINA PUBLICACOES DE LIVROS SEM CUSTO OU COM SUBSIDIO.

Enviado por HILARIO PISTUN em 01/09/2004


Olá, José Mário,

Quase me preocupei com o que escreveu, mas quando vi que era um graaaande escritor, fiquei mais tranqüilo. Não fui eu. Mas poderia ter sido, se outro tivesse vendido meus livros e contado uma história que eu ignorasse (como a promessa de autógrafo). Eu não acredito que o escritor ao qual se refere tenha feito isso de propósito, pois todo escritor tem prazer em autografar sua obra. Faz parte do reconhecimento por seu trabalho. Veja com que desalento Seth Godin, autor de "Unleashing the Ideavirus" (em português "Marketing IdéiaVírus") comenta em seu blog dos livros autografados que encontrou no e-Bay sendo vendidos mais baratos que os sem autógrafos:

"I've seen autographed copies of my books on eBay--and they sell for LESS than unautographed copies..."

Desencontros podem acontecer, porém, e pode ser o caso que mencionou. Sugiro que envie um e-mail a ele perguntando se pode enviar o livro para ser autografado. É melhor também pedir que ele devolva via Sedex a cobrar, pois só o preço do Sedex ficará maior do que o que o escritor ganhou com aquele livro. Em último caso, envie um adesivo e peça para ele autografar o adesivo, como já vi dois autores, Larry Downes e Chunka Mui, fazerem na Internet. O livro se chama "Unleashing the Killer Apps".

A idéia é interessante. Você pode ler o e-book no endereço www.killer-apps.com ou comprar a versão impressa em qualquer papelaria. Se comprar, basta preencher um formulário no site dos autores em , imprime para ler e envia para o escritor um código que comprova a compra. Em resposta ele envia um adesivo com impressão personalizada e devidamente autografado. :)

No site diz: "If you've already have a copy of Unleashing the Killer App, thanks! But the relationship needn't end at the bookstore cash register. Register your book, and we'll include you on our free email newsletter. You'll receive easy-to-read updates about the latest killer apps on our radar, and learn how the design principles are being implemented by other organizations. We'll also send you a complimentary killer app bookplate, autographed by the authors."

Enviado por Mario Persona em 22/01/2004


Gostaria de sua opinião:
- Resumidamente, fui assistir à uma palestra de um graaaaaaaande escritor e palestrante atual.
Na entrada do teatro, eu, minha esposa e diversas pessoas convidadas, compramos seus livros com a recomendação que aguardássemos no final o autógrafo na contra-capa.
Isso aconteceu no final do ano passado...
Natal...
Ano Novo...
Quase Carnaval... e ainda estamos nós sentados na porta do teatro com os livros na mão...

Enviado por José Mário Felix Pelluchi em 22/01/2004


Publique aqui seu Comentário. Ele ficará visível nesta página. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do autor deste blog.

Quer falar em particular? Envie um e-mail para
contato@mariopersona.com.br

*Nome (obrigatório):

E-Mail (opcional):

Site (opcional):

Comentário

Código de segurança anti-spam:
Digite aqui em letras maiúsculas)


Leia outros textos nos
arquivos.

Gostou do CAFÉ?
Anote no guardanapo e convide alguém!

De: ....
Para:
Comentário:


*Preencha todos os campos.

Mario Persona CAFE


Subscribe Free
Add to my Page

Cardápio Profissional:

Palestra Palestra com Manteiga
Planejamento Planejamento Light
Comunicação Comunicação Quente
Redação Redação com Ovomaltine
Tradução Tradução Inglesa
Experiência Experiência ao Ponto
Imprensa Imprensa na Chapa
Contato Fale com o Garçom

After Hours: Quero Contar, True Stories, Chapter-A-Day, O Pintor em Minha Janela

Copie o endereço RSS para seu leitor de feed O que é RSS?

Livros de Mario Persona

"Ser alguém é ter uma história para contar."
Isak Dinesen

Curioso para saber quem sou? Ok, você pediu. Para poupá-lo, vou começar nos anos 70. Após a fase mauricinho, virei hippie. Isso mesmo. Compus, cantei e toquei em festivais, vivi 3 anos só de macrobiótica e vesti bata de algodão de saco de farinha. Despojamento exterior de um Gandhi, mas vivendo como a rainha da Inglaterra, PAItrocinado no conforto de um apê só meu no Guarujá e faculdade particular em Santos.

Fim dos anos 70, desenhista, designer de ambientes e cartunista, recém formado arquiteto, metido em movimentos de contracultura e volta à natureza, fui morar no mato. Comprei um sítio após uma tentativa frustrada de morar numa comunidade. Onde? Alto Paraiso, GO. Foram 3 anos cantando "Refazenda", criando carrapatos, plantando mato e comendo arroz integral com gersal.

Foi também no fim dos 70 que nasci de novo, após três anos errando à procura de um sentido para a vida em filosofias do extremo oriente. Minha procura terminou no oriente médio
e os anjos ficaram alegres.

Voltei à civilização para continuar a carreira de arquiteto. Tive escritório de arquitetura, fui vendedor de materiais de acabamento, negociador no Banco Itaú e Cia do Metrô, editor de publicações cristãs da Verdades Vivas, tradutor técnico e diretor de comunicação e marketing da Widesoft.

Dinossauro da Internet no Brasil, em 1996 criei meu primeiro site, o bilíngüe
True Stories, seguido do trilíngüe Chapter-A-Day. Trabalhando na Widesoft, criei a comunidade Widebiz e ultimamente mantenho alguns blogs, como este CAFE, o biográfico Quero Contar e o devocional O Pintor em Minha Janela.

Hoje sou
palestrante, escritor, professor e estrategista de comunicação e marketing, além de garçom aqui no Mario Persona CAFE. Para saber mais é só clicar nos docinhos do cardápio profissional lá no alto.

Descobri o ócio criativo e faço que gosto trabalhando em casa. Meus clientes nunca iam ao meu escritório — nem eu — por isso decidi assumir o modelo home-office, conectado a um atendimento profissional, empresas parceiras, ao meu filho
Lucas Persona e aos meus clientes. Adotei o modelo futuro no presente.

Ao lado de minha mesa fica a poltrona de meu filho Pedro, que passa o dia escutando música. Quem é Pedro? Esta é uma outra história que você encontra no livro
"Uma Luta pela Vida", de minha filha Lia Persona, ou acompanhando o blog Quero Contar .

Com tanta
gente lendo meus textos, visitando meu site, assistindo minhas palestras, costumo receber um bom número de e-mails de leitores. Mas nenhum foi tão enigmático quanto aquele que trazia apenas uma pergunta: "Por que você se chama Mario Persona?".

"Você é o contador de histórias de sua própria vida, e poderá ou não criar sua própria lenda."
Isabel Allende



Vida, Carreira & Negócios - PodcastOneVida, Carreira & Negócios - PodcastOne


Powered By Greymatter

Copie o endereço RSS para seu leitor de feed O que é RSS?

 

 

Home | Planejamento | Comunicação | Redação | Tradução | Palestras | Coaching | Crônicas | Experiência | Imprensa | Contato

© Mario Persona Consultoria Ltda. contato@mariopersona.com.br Tel (19) 3038-4283 / Cel (19) 9789-7939 - Limeira - SP - Brasil

moving on, marketing de gente, gestão de mudanças em tempos de oportunidades, receitas de grandes negócios, crônicas de uma internet de verão


© Mario Persona

BlogBlogs.Com.Br Who links to my website?